Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fora todos pstu
|

No seminário jurídico da CSP Conlutas, realizado no último dia 22 de novembro, contou com a participação de Plínio Arruda Sampaio Jr. (PSOL) e Zé Maria de Almeida (PSTU). O evento discutiu o cenário político após a eleição de Bolsonaro e as “ tarefas e desafios” da conjuntura.

Um ponto mais interessante do debate foi justamente a caracterização do significado da vitória de Bolsonaro. Para o representante do PSTU. “Entre os fatores citados, Zé Maria falou da crise econômica, da devastação social que se abateu sobre os trabalhadores e o sentimento contra o sistema, o “fora todos”. (http://cspconlutas.org.br/2018/11/debate-sobre-conjuntura-abre-seminario-juridico-nacional-csp-conlutas/”).

Como teve gente que acusou a política do PSTU de ” inócua” e ” sem base real”, Zé Maria releva de maneira cristalina que o ” Fora Todos” tem resultados concretos e tangíveis na conjuntura brasileira. Revelando-se uma política estratégica.

Veja você, que o  triunfo de Bolsonaro, um representante ” anti político”  da extrema direita é na visão de Zé Maria resultado do ” sentimento contra sistema, o Fora todos”. Assim, colocar um demagogo fascista como Bolsonaro no poder é o resultado da lógica da política “ Fora todos” pregada pelos morenistas.

A política do Fora Todos que levou Bolsonaro no Brasil é a aplicação coerente do PSTU da política da LIT( a ” internacional” morenista), que apoio o golpe militar no Egito e os nazistas na Ucrânia como resultado das ” revoluções”. Não importa para o PSTU, o fato de que a derrubada de governos da esquerda reformista ou de nacionalistas dará lugar a regimes da extrema direita. A queda dos governos como do PT no Brasil ou da Irmandade Mulçumana no Egito seria algo ” progressista” pois expressam a ” vitória das massas nas ruas” assim como os governos da extrema direita seria o resultado( ainda que distorcido) da “ruptura das massas” com a esquerda reformista ou nacionalista.

Um dos mais exóticos e aberrantes balanço das eleições  é a visão do PSTU, que por sinal já criticamos aqui nesta coluna, de que a classe trabalhadora para “ castigar” o PT resolveu apoiar Bolsonaro. Além do mais, para Zé Maria   é uma exagero afirmar que a chegada a presidência de um representante da extrema direita, ” com voto da classe trabalhadora” significa que a classe trabalhadora foi derrotada  “A classe trabalhadora não está derrotada, apesar de ter votado nele”.

O colega do PSOL na mesa de debate de conjuntura no evento da CSP/ Conlutas,  que por sinal também não lutou contra o golpe, acompanhou no geral as análises de Zé Maria. Para Plinio Sampaio, “as eleições demonstraram não somente o repúdio ao PT, mas a todos os partidos da ordem. “( idem).

Interessante observar a completa falta de concretude dos representantes do PSOL e do PSTU, o regime golpista teve que impedir que Lula fosse candidato para poder ” eleger” Bolsonaro, que mesmo assim conseguiu um pouco mais de um terço dos votos, e o candidato plano B do PT mesmo com toda a manipulação e fraude chegou ao segundo turno. Como se vê o suposto ” repúdio” ao PT é tão somente uma posição de exaltação de Bolsonaro, o candidato contra ” todos” pela esquerda pequeno burguesa.

Para Zé Maria ,  o “Fora todos” não serviu apenas derrubar o PT, tem um alcance maior, relaciona-se com ” mobilização popular ” para “derrubar tudo isso que existe ai”. Neste sentido, precisamos concordar com o dirigente do PSTU, o ” Fora todos” é uma politica que levou ao bolsonarismo.

A política do PSTU é uma caricatura da política stalinista do chamado ” Terceiro período” que permitiu a ascensão do nazismo na Alemanha nos anos 1930. Naquele contexto histórico, o Partido Comunista Alemão recusou a frente única com a social-democracia contra o nazismo, alegando que eram ” irmãos gêmeos”. O resultado pratico dessa política sectária foi  a derrota dos movimentos populares e trunfo da extrema-direita. Mesmo diante dessa catástrofe política, o PCA caracterizou a chegada de Hitler no poder em 1933, como inicio do declínio do nazismo, representando de maneira ” distorcida” a rejeição de ” Todos” pelas massas e indicava a ” ruptura” da classe trabalhadora com a social -democracia. Com sabemos essa política ultraesquerdista levou a um desastre político.

No Brasil, o PSTU assim como os stalinistas na década de 1930  adotou a politica de combater a esquerda reformista como inimigo principal, recusando-se a frente única contra o golpe da direita, apresentando  a justificativa que ” todos são iguais”, que o ” PT era igual a direta”. Agora, após o resultado eleitoral, o PSTU primeiro enaltasse a ” eleição” de Bolsonaro como produto da vontade popular, do ” voto do castigo” e da ” ruptura da classe trabalhadora com o PT”, ( não realizando a elementar análise dos dados). e depois, também  como  os stalinistas na ocasião da eleição de Hitler, fomentam a noção que  a vitória da extrema direita indica um voto anti sistema, que levará a vitória no futuro da ” esquerda não reformista”.

Na narrativa de Zé Maria,  os trabalhadores abandonaram  os reformistas e derrubaram Dilma. Depois de maneira provisória( para castigar o PT) votaram em Bolsonaro,  rejeitando ” todos” e  demostrando um  ” sentimento contra o sistema”. Em breve, os trabalhadores desiludidos com ” mito bolsonarista”,  passaram para posições ” revolucionarias”.

Curiosamente, o PSTU defendeu que primeiro tiramos Dilma, depois Temer, e assim por diante, até tiramos ” Todos”,  mas  não seria então  incoerência recusa-se a chamar o ” Fora Bolsonaro”?

Para os simples mortais, pode parecer inocorrência, mas a intervenção de Zé Maria serviu para elucidar também essa questão.  O Fora Todos não era para tirar todos, mas para levar ao poder alguém que representasse o “povo” ( e também os trabalhadores) contra ” todos” e  ” contra tudo isso que esta ai”. Assim, o PSTU não defende o ” Fora Bolsonaro”, pois seria lutar contra um candidato que de maneira ” distorcida” representa própria política do PSTU do ” Fora Todos”. Assim,  mesmo considerando Bolsonaro um filho bastardo do ” Fora todos”, Zé Maria tem razão identificar Bolsonaro como parte ou resultado da sua política. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas