Escravidão
Trabalhadores de aplicativos diversos são verdadeiros escravos dos capitalistas em pleno seculo XXI
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Entregadores de aplicativos de bicicleta, moto, patinete, pedestre e etc, São Paulo - SP. Foto: Robeto Parizotti
Entregadores de bicicleta em SP | Foto: Roberto Parizotti

É fato já inequívoco que os trabalhadores de aplicativo como UberEats, Ifood, entre outros, são super-explorados por empresas que não asseguram direitos básicos de uma categoria que recebe por produção em condições extenuantes e vive sob intensa pressão para levar o mínimo de sustento para casa. Trabalhadores doentes, acidentados e famílias que não tem qualquer segurança. Sem contar que toda a estrutura de manutenção dos veículos, aparelhos celulares e até as bolsas carregadoras são de responsabilidade dos trabalhadores.

A pandemia escancarou a verdadeira escravidão a que esses trabalhadores estão submetidos e a falta de alternativas do capitalismo – em crise terminal – de manter condições mínimas para que o indivíduo seja explorado pelos capitalistas e consiga a sobrevivência de sua família. A crise sanitária mundial provocou o aumento da demanda por entregadores de aplicativos e, com o desemprego crescente, possibilitou que essas empresas impusessem condições de trabalho extremamente precárias, sujeitando trabalhadores a condições análogas à escravidão.

Segundo pesquisa da RankMyApp, empresa de tecnologia para divulgação de aplicativos, o número de aplicativos de entrega baixados cresceu 200%. Somente em abril, mais de 22 milhões de celulares instalaram apps de entrega, o maior número de adesões dos últimos seis meses. O numero de trabalhadores sem experiência no trânsito das grandes capitais fez com que o numero de acidentes e mortes desses trabalhadores aumentasse. Dados do Infosiga mostram que, em março de 2020, 39 motoboys morreram nas ruas da capital paulista, contra 21 no mesmo mês do ano anterior.

A situação é muito grave e precisa de um combate sério e efetivo. Um relato da trabalhadora de entregas Keliane Alves Pereira mostra como essas empresas tratam os funcionários e demonstra a urgência de uma ação organizada de conjunto contra esse trabalho escravo: “As demandas dos entregadores diminuíram pela quantidade de pessoas disponíveis e as empresas estão se aproveitando para explorar ainda mais. Agora pouco, neguei uma viagem de quase 40 Km que ia me pagar entre R$15 e R$ 20 reais. Eu me senti escravizada e preferi ir para casa e eles não estão nem ai, porque sabem que eu nego mas tem outros que vão pegar a corrida”.

Sem transporte público, muitos entregadores tem que pedalar 30 ou 40km de volta para casa. Outro exemplo da exploração escravizadora é que as empresas não disponibilizam banheiro e locais para beberem água e lavar a mão. Muitos entregadores tiveram suas contas bloqueadas de um dia para outro sem motivo algum e só conseguiram voltar após se unirem e conseguirem forçar a empresa a reverterem o bloqueio. Alguns ficaram de 20 a 30 dias sem qualquer remuneração.

É preciso que a CUT aja de forma incisiva e forte para combater o tal “empreendedorismo” que é na realidade, uma forma disfarçada de escravidão. Para isso, deve-se opor as reivindicações dos trabalhadores contra os ataques dos capitalistas, representado pelo governo Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas