Siga o DCO nas redes sociais

Bancários sob risco
Para os banqueiros não importa a saúde do trabalho
As poucas medidas adotadas pelos bancos não dão conta do risco que toda a categoria está passando
Bancários sob risco
Para os banqueiros não importa a saúde do trabalho
As poucas medidas adotadas pelos bancos não dão conta do risco que toda a categoria está passando
Registro de uma agência, em dias comuns.
Registro de uma agência, em dias comuns.

Os trabalhadores bancários estão correndo um sério risco de morte, por conta da política dos banqueiros e de seus governos, em manter as agências e dependências bancárias funcionando e, pior, sem as mínimas condições de higienização nos ambientes de trabalho, sem as devidas medidas de prevenção contra o contágio do coronavírus.

As poucas medidas adotadas pelos bancos não dão conta do risco que toda a categoria está passando. O trabalho remoto para os trabalhadores com mais de 60 anos, grávidas e daqueles com filhos pequenos (mas se for um casal de bancários há a restrição do rodízio entre os mesmo para trabalharem) atinge apenas uma parcela da categoria. Mesmo nos casos em que os governos estaduais decretaram o fechamento das agências bancárias, com a restrição de atendimento, os bancários estão obrigados a ir trabalhar para da continuidade do cumprimento de metas.

Enquanto o governo ilegítimo/genocida Bolsonaro, legítimo representantes do banqueiros (sempre é bom lembrar que os bancos foram um dos grandes financiadores do golpe de Estado, no processo farsa no reacionários Congresso Nacional, do impeachment da presidenta Dilma Rousseff que culminou na eleição fraudada de Jair Bolsonaro) pretende matar toda a população (vide pronunciamento em cadeia nacional do dia 24/03/2020) e transfere os recurso públicos na ordem de R$ 1,2 trilhões pros banqueiros, para os bancários, e logicamente para a população em geral, o que se espera é morrer pela contaminação na pandemia.

Para a categoria bancária não há outra saída que não seja a organização uma gigantesca mobilização para enfrentar a política reacionária dos banqueiros, que pouco se importam com a saúde do trabalhador, conforme vem acontecendo com diversas categorias que, também, sofrem por conta da política dos patrões como aconteceu recentemente com as paralisações dos trabalhadores de Call Centers, devido às más condições e o risco de contaminação nos seus ambientes de trabalho.

As direções sindicais deve chamar imediatamente assembléias das suas respectivas bases para deliberar uma greve geral de toda a categoria nacionalmente. Não é coerente a política adotada pelas direções sindicais em estabelecer a política da direita de quarentena e confinamento como a única forma de conter o avanço da pandemia do vírus corona quando os trabalhadores bancários são obrigados a trabalhar normalmente, utilizando transporte público, etc., ao contrário do que se prega a não mobilização irá ocasionar o contágio de milhares de bancários e poderá custar a vida de outros tantos. Os bancários precisam interromper as suas atividades imediatamente, entrar em greve. Organizar comitês de empresa nos locais de trabalho para que os próprios trabalhadores decidam o que fazer, organizar uma pauta de reivindicações para atender a necessidades urgente da categoria.

Os banqueiros não estão dando as mínimas condições para se realize as atividades bancárias, que os trabalhadores tomem as rédeas da situação, já que são as suas próprias vidas que estão em jogo.