Para não desagradar a Globo: Boulos e Manuela preferem não falar da Venezuela

maduro

Os pré-candidatos “abutres” às eleições presidenciais de 2018, principalmente Manuela d`Àvila do PCdoB e Guilherme Boulos do Psol, que se apresentam como candidatos de esquerda no país, mostraram que não consideram como uma questão fundamental para a luta da classe trabalhadora brasileira e na América Latina contra o imperialismo as eleições da Venezuela, que ocorreu no dia 20 de maio.

Esses pré-candidatos “abutres” da esquerda, que estão sendo chamados todos os dias pela imprensa golpista para se apresentarem como candidatos figurantes nas eleições de 2018, enquanto o principal candidato, Lula, está preso, sequer mencionaram na imprensa, ou em suas páginas na internet sobre as eleições da Venezuela.

Enquanto em todo o país a imprensa golpista noticia as eleições da Venezuela como uma ditadura, ganhada de forma esmagadora por Maduro, os candidatos “abutres” sequer analisam o resultado das eleições da Venezuela diante de suas candidaturas, como se fossem pessoas despolitizadas, fora da política.

Acontece que as eleições da Venezuela coloca em evidência todos os planos do Imperialismo na América Latina, ou seja, o controle total dos EUA sobre os países atrasados desse continente, mostrando que se o Imperialismo não consegue controlar o país com um golpe interno, a exemplo do golpe no Brasil, eles vão para força, para uma intervenção militar.

Para qualquer candidato a presidente do Brasil, a questão da Venezuela seria preocupante para suas pretensões governamentais, principalmente para um candidato que se diz de esquerda.

O silêncio desses candidatos da esquerda se justifica pelo fato de que eles não podem se manifestar em questões que os golpistas são contrários, pois podem perder o espaço na imprensa golpista, principalmente da Globo, para fazer propagada eleitoral, já que essa imprensa é contra o governo de Maduro, reproduzindo o Imperialismo que chamam a Venezuela de ditadura, aonde tem eleições, e o Brasil de democracia, aonde tem golpe e o principal candidato a presidente está preso.

No caso de Boulos, a situação é ainda pior, já que além de fugir da critica da imprensa golpista de serem atacados de forma fascista de ser Chavista, Boulos ainda teria que enfrentar metade de seu partido, que tem a mesma posição do imperialismo sobre a Venezuela.