Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
incendio
|

Dentro de alguns dias, o governo Bolsonaro completará oito meses de existência. Imposto pela burguesia por meio de uma fraude eleitoral, Bolsonaro é a continuação do golpe de Estado de 2016. Embora sustentado pelos setores mais poderosos da burguesia, Bolsonaro  foi a forma “torta” que a direita encontrou de manter os ataques contra os trabalhadores.

O governo Bolsonaro é um dos governos mais improvisados da história – mais improvisado até mesmo que o governo Collor. Montado às pressas para suprir o esvaziamento eleitoral dos partidos tradicionais da burguesia, abriga desde setores médios da burguesia, latifundiários, pastores e vigaristas de quinta categoria aos políticos estreitamente vinculados ao imperialismo até as Forças Armadas.

Em um dos acenos de Bolsonaro à sua base de extrema-direita e, especialmente, aos latifundiários do centro e do norte do país, o presidente ilegítimo decidiu adotar uma política de incentivo às queimadas nas florestas. Isso, por sua vez, levou vários fazendeiros e grileiros a tocar fogo em uma área imensa do território amazônico, causando uma devastação enorme na região em favor do latifúndio.

O incêndio na região amazônica tomou enormes proporções. Mais um fator de crise para o governo Bolsonaro, que está sendo visto por todo o planeta como o responsável por incendiar a maior floresta tropical do mundo. Além de destruir parte do patrimônio nacional, o incêndio tem tido uma repercussão enorme na imprensa burguesa mundial. Isso, no entanto, não implica nenhuma preocupação do imperialismo com a questão ambiental.

Os países imperialistas pretendem aproveitar a crise em que o governo Bolsonaro se encontra para ampliar sua política de ingerência na Amazônia. Há muito tempo, França, Inglaterra, Alemanha e outros países imperialistas europeus disputam com os EUA um “quinhão” para se apropriar de parte da riqueza da região. A desculpa de que o governo brasileiro não teria competência suficiente para preservar a floresta seria, portanto, um pretexto perfeito para que esses países enviassem suas tropas para ocupar as florestas brasileiras.

O presidente francês Emmanuel Macron já falou que a Amazônia era o “pulmão do mundo”, dando a entender que o mundo inteiro poderia intervir no território brasileiro. O governo da Finlândia, por sua vez, estuda sabotar a importação de carne brasileira para pressionar uma ingerência estrangeira na Amazônia. Claramente, há uma tentativa do imperialismo europeu de tomar de assalto uma das regiões mais ricas do planeta.

A Amazônia não é assunto dos europeus – mas sim dos brasileiros. Se o governo Bolsonaro está destruindo a região, é preciso levantar a palavra de ordem de “fora Bolsonaro” e organizar um movimento pela derrubada do governo. No entanto, os trabalhadores e a esquerda em geral devem rejeitar qualquer frente de ação com Macron ou com qualquer outro elemento do imperialismo. Fora Bolsonaro e todos os golpistas! Fora intervenção imperialista!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas