Estratégia política
Após diversas ameaças de golpe, militares mudam o tom e agora negam golpe militar e dizem ser apenas “mal entendidos”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Augusto Heleno e MOurão-1
General Augusto Heleno e Hamilton Mourão | Imagem: reprodução

Nos últimos dias diversos setores ligados às forças armadas se pronunciaram publicamente, ameaçando, inclusive, o país de colocar em marcha um golpe militar, por conta dos das ações do STF contra o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro. Se pronunciaram ministros do seu governo, como a nota do general Augusto Heleno no dia 22/05, a nota de oficiais da reserva do Exército, que defenderam as colocações de Augusto Heleno e Bolsonaro e atacaram o STF e do Clube Naval que seguiu a mesma linha.

As colocações dos militares, se avolumaram desde final de abril, quando o ministro do STF, Alexandre de Moraes, deferiu ação liminar impedindo a nomeação de Alexandre Ramagem a diretor-geral da Polícia Federal (PF). Depois, no dia 22/05, houve a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, citada em depoimento por Sérgio Moro para comprovar a intenção de interferência de Bolsonaro na PF e, em seguida, houve o pedido do STF, por meio do ministro Celso de Mello, que encaminhou à Procuradoria Geral da República o pedido de apreensão do celular de Bolsonaro a para averiguações sobre a denúncia de Moro.

Nos últimos dias, entretanto, estas mesmas figuras vieram à público amenizar as declarações e colocar a situação como um “erro de interpretação”. O vice-presidente Hamilton Mourão, por exemplo, disse que há um “estresse” somente entre os poderes do Estado declarando “quem é que vai dar golpe? As Forças Armadas? Que que é isso, estamos no século 19? A turma não entendeu. O que existe hoje é um estresse permanente entre os poderes. Eu não falo pelas Forças Armadas, mas sou general da reserva, conheço as Forças Armadas. Não vejo motivo algum para golpe”.

Já o chefe do GSI, general Augusto Heleno disse “Não houve esse pensamento [de intervenção] nem da parte do presidente nem dos ministros”, disse, em entrevista na quinta-feira (28). Heleno reforçou ainda que “ninguém está prevendo golpe, nada disso”.

As posições dos demais militares que compõem o governo seguiram a mesma linha de a possibilidade de um golpe militar “ser criação da mídia”, de que as ações dos oficiais das FAs não visam interferir nas questões de governo do país, como declarou o general Luiz Eduardo Ramos da Secretaria de Governo.

É preciso deixar claro que a mudança de tom dos militares, que se colocam de certa forma coordenada, é apenas uma questão de discurso, pois analisando os fatos, não resta dúvida que, desde o golpe de 2016, os militares tem dominado os espaços políticos de uma forma cada vez mais ampla, com um avanço sistemático pelos poderes no executivo e todos os ministros militares e cargos do alto escalão, na justiça, principalmente, com o assessor militar do presidente do STF Dias Tóffoli e no legislativo, com um número nunca antes visto de deputados e senadores ligados ao aparato de repressão do Estado.

O atual discurso dos oficiais militares visa reforçar o apoio ao governo Bolsonaro, na tentativa de afastar as crises que debilitam o governo, ameaçando os setores da burguesia que divergem parcialmente do Bolsonaro e, principalmente, das organizações populares que estão em franca contradição com o governo, utilizando sua principal arma, o monopólio da violência, da força das armas.

Assim, como ocorreu em 64, quando os militares não tinham consenso sobre colocar o golpe em prática por medo da reação popular, os militares de hoje também têm receio da reação popular, que tende a crescer cada vez mais, conforme avançam as crises sanitárias, da pandemia do coronavírus, e econômica, que irão desaguar inevitavelmente contra o governo Bolsonaro. Por isso fazem essa política de “morde e assopra”. Mas, não se deve ter dúvidas que, caso a burguesia encare como medida necessária, apesar dos custos, colocar os tanques na rua, é uma medida não só possível, como a cada dia de “sobrevida” do governo Bolsonaro, essa ameaça ganha mais força e possibilidades de ser colocada em prática.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas