O fascismo destruirá tudo
Uma nova estratégia do desmonte do Estado sob Bolsonaro: o corte de verbas. É necessário denunciar que o governo de golpistas que cortou a maior parte dos recursos do INPE
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
desmatamento-parana(1)
O que os técnicos querem evitar é uma catástrofe. E, o ritmo de desmatamento voltou a crescer. | Foto: Reprodução

Uma nova estratégia do desmonte do Estado sob Bolsonaro: o corte de verbas. É necessário denunciar que o governo de golpistas cortou a maior parte dos recursos do INPE para esconder os dados de desmatamento.

Adietemos que os cortes no Inpe ameaçam monitoramento do desmatamento e até soberania nacional. Esta é também a denúncia do Diretor do Inpe que reage a afirmações de Bolsonaro sobre desmatamento

Na prática, o Inpe é o órgão responsável por realizar o monitoramento por satélites mais confiável das queimadas das florestas brasileiras, ao acompanhar alterações da cobertura vegetal do país.

Ao longo da história, “Quando você analisa a história da luta contra o desmatamento no Brasil, você vê que a gente conseguiu um sucesso grande, principalmente no primeiro governo Lula, graças a essa expertise do Inpe, do seu monitoramento e a transparência desses dados. Foi um longo processo de construção do monitoramento do desmatamento”, explica Alice Thuault, coordenadora-adjunta do Instituto Centro de Vida, que atua no combate às queimadas ilegais na Amazônia há quase 30 anos. Agora, esta estrutura está sendo desmontada.

O que os técnicos querem evitar é uma catástrofe. E, o ritmo de desmatamento voltou a crescer no Paraná. O ritmo de desmatamento voltou a crescer no país, segundo dados mais recentes do Inpe, é alarmante.

Os dados técnicos divulgados causaram uma verdadeira guerra, desencadeada pelos golpistas no poder. O presidente Jair Bolsonaro veio à público e disse estar agindo “a serviço de alguma ONG”. O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão, disse em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que ficou escandalizado com as declarações que, para ele, parecem mais “conversa de botequim”.

Bolsonaro, na ocasião, questionou os dados fornecidos pelo Inpe sobre as taxas de desmatamento da Amazônia e disse que eles são mentirosos. “Com toda essa devastação de que vocês nos acusam de estar fazendo e ter feito no passado, a Amazônia já teria sido extinta, seria um grande deserto”, disse Bolsonaro. “A questão do Inpe, eu tenho a convicção de que os dados são mentirosos”, afirmou.

Bolsonaro não parou por aí, “Até mandei ver quem é o cara que está à frente do Inpe para vir se explicar aqui em Brasília, explicar esses dados aí que passaram na imprensa”, disse. Galvão, que dirige o instituto desde setembro de 2016, se manifestou na manhã deste sábado sobre os comentários feitos na sexta por Bolsonaro em café da manhã com a imprensa estrangeira fazendo as denúncias dos fatos acobertados pelo Estado.

O governo fascismo não vai se intimidar na destruição de florestas pelos reclames de técnicos e cientistas. É preciso derrubar Bolsonaro e todos os golpistas.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas