Para demitir a qualquer preço, Correios já está aceitando acordo com funcionários

carteiros em bsb

Mostrando que a política da direção golpista da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) é mesmo demitir trabalhadores, diminuir ao máximo o número de funcionários, a fim de privatizar os Correios, foi publicado nessa quarta-feira (26-12) no boletim interno da empresa, Primeira Hora, que agora os Correios poderão fazer acordo para que os trabalhadores possam “desligar-se” dos quadros de funcionários da Empresa.

A ECT informa que o trabalhador ecetista poderá procurar o RH (Recursos Humanos) e fazer um acordo para ser demitido, garantindo 50% dos seus direitos, e 80% do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), conforme está prescrito na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Detalhe, quando a direção dos Correios não tinha  a intenção de privatizar a empresa, pelo contrário, ainda havia investimento na ECT, era proibido qualquer tipo de acordo com os trabalhadores em relação a sua demissão.

Os golpistas já tentaram os PDI (Plano de Demissão Incentivada) para demitir os trabalhadores mais velhos,  mas o mesmo não surtiu o resultado esperado. Agora querem que os trabalhadores mais jovens peçam a própria demissão, a fim de que a ECT possa demitir com menor custo por trabalhador.

É necessário defender os Correios, como empresa pública e não deixar que os golpistas entreguem o patrimônio popular e os direitos dos trabalhadores.

Para isso, é preciso lutar pelo fim da ditadura no seu interior com a eleição direita de todos os postos de chefia e direção e o controle dos trabalhadores sobre a empresa. Esta luta deve estar vinculada à luta contra a privatização da ECT e pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas e  pela liberdade de Lula e de todos os presos políticos.