Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Dc2iI__XkAM66UY
|

A esquerda brasileira está colocada com um debate que simplesmente não parece ter fim, o da unidade da esquerda. Já tentaram os sindicatos livres, aqueles que se livraram da ditadura, ao PMDB, isso fracassou. Uniram o grande movimento operário liderado por Lula à oportunistas esquerdistas de todos os matizes e a burguesia “progressista”, isso teve seu fracasso retumbante anunciado na queda de Dilma.

Agora falam de unificar a esquerda atual para derrotar a direita nas eleições, unificar quem? Falam de juntar candidatos como Boulos, Manuela D’Ávila, o PT e toda a esquerda detrás da bandeira de Ciro Ferreira Gomes, isso também encontra obstáculos enormes, por quê parece impossível unificar a esquerda?

Muitos colocaram o problema como uma disputa de egos, não é. É um problema eminentemente político. Existe um pré-requisito para unificar quaisquer forças políticas, uma programa político comum. Um conjunto de objetivos comum, uma política comum, mesmo que não idêntica.

Mas isso esbarra em uma questão, como se unificar com Boulos, o PCdoB e Ciro?

Quando foi formada a Frente Brasil Popular, a frente de luta contra o golpe, ele correu para formar uma outra frente, a Frente Povo Sem Medo. Quando a Frente Brasil Popular convocava um ato, ele convocava outro, e por quê não unificar neste ponto? Não eram todos contra o golpe, não exatamente.

Ele não queria se comprometer com a ideia de defender o governo de Dilma, que ele já disse ser “indefensável”, que quando estava sendo derrubado ele atacava. Ele não queria “manchar-se” com a ideia de ser petista.

O PCdoB por sua vez é capaz de se unificar com qualquer partido, de direita, extrema-direita, esquerda ou extrema-esquerda, se isso for a melhor alternativa eleitoral, se conseguir mais cargos. Mas neste cenário o PT tem capital eleitoral diminuído, Lula está preso, então eles rapidamente trocaram a bandeira de Lula pela de Ciro e hoje rezam pela cartilha do PDT.

Ciro Gomes é um homem da direita, ele deixará a esquerda apoiá-lo, mas jamais apoiará Lula.

O problema da unidade da esquerda é que buscam unidade no lugar errado. O povo já está unificado, eles gritam Lula presidente! Mas então se o povo está lá, e Lula representa a luta contra a direita golpista e os poderosos, o que os impede vir para o lado do povo? Justamente isso.

Estes senhores não querem romper com a direita e a burguesia, não querem declarar guerra aos golpistas e enfrentar a fúria da Globo e da Lava Jato ombro a ombro com o PCO, o PT, a CUT e a classe operária.

Se eles não irão romper com o golpe é preciso romper com eles. É preciso romper para unificar, por mais paradoxal que seja. É preciso romper com peso morto que não luta contra o golpe e propor uma imensa unidade popular, propor ao povo, com Lula, algo que eles nunca concordariam em fazer. Está aí a chave para a unidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas