Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
angela-merkel-1543952454807_v2_1920x1274
|

Da redação – O jornal golpista Folha de S. Paulo, ao menos desde o ano passado, de forma oficial, vem chamando o presidente venezuelano Nicolás Maduro de “ditador”, em sua propaganda enganosa contra o governo da Venezuela e a serviço do imperialismo.

Em matéria de ontem, o veículo cometeu um deslize na chamada de sua reportagem, afirmando que o “ditador” “inicia 2º mandato”.

Maduro foi eleito em 2013, em uma eleição na qual a direita golpista tentou manipular o cenário de todas as formas, tentou fraudar o processo e, perdendo, partiu para uma clara tentativa de golpe de Estado violento.

Como na Venezuela o mandato presidencial é de cinco anos, houve novas eleições este ano. Como de costume, quando não tem a menor chance de vencer (uma vez que não recebe apoio do povo), a direita boicotou o pleito e Maduro venceu as eleições.

A grande hipocrisia reside em que a Folha, assim como toda a imprensa burguesa, acusa Maduro (ou Evo Morales, ou Daniel Ortega) de ser ditador, mas ele não está há tanto tempo no poder como a grande “democrata”, uma das “líderes do mundo livre”, a chanceler alemã Angela Merkel.

Enquanto Maduro é tratato de maneira caluniosa pela imprensa imperialista, Merkel está no poder desde 2005 e vai sair somente em 2021, mas nunca foi criticada por isso.

Uma das desculpas encontradas é que Maduro, embora em pouco tempo no poder, seria responsável pela repressão da oposição e pela censura à imprensa. Tudo isso não passa de uma grande manipulação dos meios de propaganda do imperialismo, como são no Brasil os jornais golpistas, como parte da campanha para derrubar o governo nacionalista para entregar os recursos da Venezuela aos grandes monopólios.

Mas Merkel, a “santa neoliberal”, que está há muito mais tempo no poder do que Maduro, reprime a oposição e censura a imprensa sem nenhum alarde ou crítica da mesma imprensa que ataca o presidente venezuelano.

Só em 2017, milhares de manifestantes foram brutalmente agredidos pela polícia alemã ao fazerem um imenso protesto nas ruas de Hamburgo contra a realização da cúpula do G20 e o regime neoliberal que assola os direitos dos trabalhadores. No mesmo ano, o governo de Merkel fechou a página de Internet mais influente da esquerda radical alemã.

Desta forma, fica demonstrada a hipocrisia e manipulação da imprensa imperialista, tratando de maneiras completamente diferentes um país oprimido que luta contra o imperialismo e outro país imperialista opressor. A imprensa burguesa rotula o governo venezuelano de ditatorial e o alemão, que teria (segundo o seu próprio critério enganoso) as mesmas características do que está atacando, é tachado de baluarte da democracia e da liberdade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas