Desamparo
No segundo trimestre desse ano, apenas 46,3¨% das mulheres estão empregadas ou procurando emprego. Esse é o menor número do índice dos últimos 30 anos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
merenda (1)
Muitas mulheres perdem seus empregos pela falta de suporte do Estado | Foto: Jeso Carneiro

Como abordamos diversas vezes, a situação atual da mulher é cada vez mais a do desemprego, da escravidão doméstica, da violência contra a mulher. Em resumo, a mulher vem sofrendo com as consequências da política direitista que promove o desamparo da mulher. Nesse sentido, a pandemia e a crise econômica foram utilizadas pela direita como pretextos para intensificar os ataques contra as mulheres.

Para apontar as causas dessa ausência das mulheres no mercado de trabalho, é necessário explicitar que as mulheres sofreram com um aumento de dependentes e o trabalho no lar. Durante a pandemia, a falta de suporte às mulheres obrigou que a mulher cuida-se dos seus filhos, a pesquisa de ocupação registrou 7,7 a menos que a comparação com o mesmo período do ano passado, e dos membros doentes da família a despeito do trabalho fora de casa. Lembrando também que a volta ás aulas também comprometeu o tempo dos pais, que tiveram que auxiliar seus filhos já que o ensino foi severamente precarizado e ficou dependente da possibilidade de instrução dos pais. Quanto mais dependentes, mais difícil.

Antes da quarentena, as mulheres já se dedicavam, em média, 10 horas a mais que os homens aos afazeres domésticos. Com a crise sanitária, a situação se agravou. A pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz indica que 26,4% das mulheres entrevistadas relataram que o trabalho doméstico aumentou muito. Outro dado coletado foi que as mulheres estão mais tristes e deprimidas (50%). Claramente, os dados apontam para uma condição de desamparo da mulher na sociedade. Por outro lado, a política da direita é de suprimir ainda mais os direitos e suportes da mulher. O que termina de construir a situação lamentável que muitas mulheres vivem.

É preciso denunciar que a direita, seguindo os interesses da burguesia, largou as mulheres em meio a crise sanitária e econômica, obrigando a mulher à escravidão do lar, à dependência e à violência. Não podemos permanecer na “barbaridade” que obriga às mulheres ao lar, essa posição retrógrada é o plano da direita para as mulheres, um plano de ataque e intensificação dos problemas das mulheres.

Para combater a direita e progredir rumo a socialização do trabalho doméstico e dos cuidados e para fazer avançar também a emancipação da mulher rumo a sua efetivação, é essencial a organização das mulheres e a luta pelo Governo Operário dos trabalhadores do campo e da cidade. Só assim, organizando a luta contra o estado burguês e pelo Governo Operário é que podemos concretizar a libertação das mulheres!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas