Aumenta o cerco contra Belarus
Países Bálticos proíbem 30 autoridades bielorrussas, incluindo o presidente, de entrar em seus territórios, agravando o cerco contra a Bielorrússia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lukashenko-independence
Aleksandr Lukashenko, presidente da Bielorrúsia. | Foto: Reprodução

Sob a acusação de fraude eleitoral e repressão, Países Bálticos proíbem 30 autoridades bielorrussas, incluindo o presidente, de entrar em seus territórios, agravando o cerco contra a Bielorrússia.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, 31, pelo Ministério das Relações Exteriores da Letônia, a pressão sob o governo de Lukashenko foi aumentada. “Com base na decisão do Gabinete de Ministros da Letônia e em coordenação com os Ministros das Relações Exteriores da Estônia e da Lituânia, o Ministro das Relações Exteriores da Letônia, Edgars Rinkevics, resolveu colocar 30 funcionários bielorrussos na lista de não letões, diz o documento. Segundo o documento, os sancionados não poderão entrar nos Países Bálticos, sendo essa proibição válida por tempo indeterminado.

Constam nessa proibição o nome do presidente bielorrusso, Aleksandr Lukashenko, e os chefes de vários órgãos governamentais, como a Comissão Eleitoral, os Ministérios do Interior e da Justiça, o Ministério Público e o Comitê de Investigações.

Como pretexto, os governos da Estônia, Lituânia e Letônia caracterizam os referidos funcionários por “organizar e apoiar a falsificação das eleições presidenciais de 9 de agosto (…), bem como apoiar a repressão violenta das manifestações pacíficas”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas