Salvar a economia com sangue?
O imperialismo está pressionando o governo do Brasil a endurecer o sistema contra o pobre e o trabalhador, aumentando a expropriação para salvar os capitalistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dinheiro
Aumento de impostos para ricos | Foto: Carta Capitao

A imprensa burguesa publicou matéria no portal Terra, afirmando que as economias da América Latina irão demorar mais tempo para se recuperar quando terminar a pandemia do Covid-19.

Apontam como principais problemas a dívida pública muito elevada e a redução do PIB para a região em torno de 8%, conforme relatório do Banco Mundial, ainda o crescimento da inflação. A Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) diz que é a pior crise nos últimos cem anos. De qualquer forma, as economias não terão o mesmo valor para o PIB de antes da pandemia até 2023.

Consultados especialistas do Goldman Sachs, Grupo Economist, Capital Economist e do Banco Mundial, eles apontam que as medidas que cada país adotou poderá fazer a diferença na velocidade de recuperação pós pandemia. 

Os países que adotaram por maior tempo o isolamento social prejudicam mais a economia, os incentivos para empresas e pessoas, com elevação da dívida pública, atenuou o impacto negativo. Os que se mantiveram firmes no controle dos gastos, mantendo o equilíbrio nas contas do estado terão maior fôlego nos incentivos para sair da crise, apesar de ter acentuado o impacto negativo na economia.

O Brasil tem a segunda maior dívida pública da região, beirando a 100% do PIB conforme dados do FMI, e déficit fiscal de cerca de 12% do PIB conforme divulgação do ministério da economia para setembro. Para os especialistas a perspectiva de crescimento não é muito favorável.

Dizem que o país não avançou nas reformas fiscais e os gastos com incentivos à economia pioram o déficit. Isso ocorre em meio a muita instabilidade política.

Analisam as principais economias da região, e é notório que são brandos nas críticas aos governos alinhados com o imperialismo ou que fizeram negociações para reestruturar a dívida com o FMI. 

Enquanto que na análise da Venezuela fazem verdadeiro escárnio com o governo. Possivelmente por não poderem atribuir à pandemia os péssimos resultados na economia, sendo que as medidas de prevenção e isolamento social estão sendo exemplares para a região e o mundo, com poucos casos de infecção e morte.

Também não mencionam os impactos que a Venezuela tem com os embargos econômicos duríssimos imposto pelos EUA e demais imperialistas, que estão estrangulando a economia do país e o povo junto, como ocorre também com Cuba há mais de sessenta anos. Uma política de genocídio contra o povo.

No caso do Brasil, estão frontalmente cobrando reformas fiscais, dizendo que as condições para recuperação da economia só serão possíveis se fizerem as tais reformas. O que não dizem é que ao fazer as reformas, com aumento de impostos, os maiores penalizados serão os trabalhadores, que sempre são os que pagam a conta.

Já tivemos desemprego massivo, redução de salários, perda de benefícios sociais, legislação trabalhista, previdência social e agora mais impostos para pagar. As estatísticas oficiais da receita federal indicam que de 60% a 80% da arrecadação de impostos recai para rendas de até 5 mil reais aproximadamente.

Não é que tenha que ser assim a reforma fiscal. Poderia ser diferente e por exemplo taxar grandes fortunas e patrimônios de maior valor, cobrar impostos dos mais ricos e menos, melhor dizendo nada, dos pobres. Só não ocorre isso porque os ricos são os donos do estado (burguês), e os políticos são seus funcionários. Assim fazem o que o patrão manda, descontar dos pobres, trabalhadores e nada deles ricos.

Precisamos mudar essa correlação de forças, impedindo que outro fardo recaia sobre nossos ombros, e só será possível se nos organizarmos em conselhos populares nos bairros, nas empresas onde trabalhamos, nas escolas e assim elaboramos um plano de lutas para reverter a situação política no país. Pondo abaixo esse regime de exploração do trabalhador, e organizarmos o estado para atender às necessidades do povo trabalhador.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas