Combater o fascismo nas ruas
Conhecido por seus posicionamentos em defesa dos direitos humanos e contra o fascismo, Padre Antonio Gabriel, foi sequestrado e morto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
253cebf7-6334-4497-9792-935ec518b04a
Foto: Diocese de Leopoldina/Divulgação |

Um padre conhecido por defender os direitos humanos e o combate ao fascismo foi sequestrado e assassinado na última segunda-feira (18) em Minas Gerais. Desaparecido desde domingo (17), o padre Antônio Gabriel foi encontrado já sem vida em um matagal numa estrada que liga os municípios de Pirapetinga e Recreio. Dois homens foram presos, um deles com o carro do padre, alegando que o teria comprado, e a polícia afirma ainda não saber as causas do crime um tanto quanto suspeito, afinal se tratava de um conhecido líder religioso da região, por conta de seus posicionamentos.

Episódios como o do padre Antônio Gabriel geralmente chocam as populações por se tratarem de pessoas que exercem alguma liderança e são conhecidos por isso e por suas posições. No ano de 2019, o Brasil contabilizou 23 assassinatos de ativistas dos direitos humanos, colocando o país em quarto no ranking mundial. Quando um crime dessa natureza acontece, independente das motivações, ele levanta também um alerta a todos aqueles que compartilham as idéias antifascistas, dos direitos humanos, e todas as pautas naturalmente defendidas pela esquerda de liberdade e igualdade entre os indivíduos.

Não é de hoje que vemos a extrema direita cada vez mais organizada, seja em grupos virtuais ou até mesmo no mais recente acampamento intitulado “300 do Brasil”, em Brasília. Essas organizações sempre existiram na clandestinidade, o fascismo sempre esteve aí, mas a cada dia que passa estes grupos imundos estão se rebelando ainda mais e estão com cada vez mais adeptos e cada vez mais explícitos com os seus posicionamentos ultraconservadores, impulsionados pelo governo do presidente fascista Jair Bolsonaro. A extrema direita está mais armada, mais organizada e isso é uma ameaça clara à esquerda e aos trabalhadores. O fascismo não age moderadamente e ameaça a vida de toda a população de diversas formas, seja com as políticas da extrema direita que só prejudicam os trabalhadores, seja com as milícias e as organizações de seus seguidores que de certa forma tentam intimidar e até mesmo agredir e matar aqueles que se dizem contrários as suas ideologias um tanto quanto repulsivas.

Diante dessa situação cada vez mais preocupante e urgente, é comum nos perguntarmos o que fazermos e como agirmos nesse momento, e a resposta está em reagir a altura. A esquerda e todos os trabalhadores devem se organizar e lutar contra os fascistas nas ruas, e já tivemos exemplos de como fazer, como foi caso da torcida Gaviões da Fiel em São Paulo que impediu um ato bolsonarista, ou também a manifestação organizada pelos Comitês de Luta hoje em Brasília contra o governo Bolsonaro.

É preciso lutar contra o fascismo e extingui-lo, não dando nem ao mesmo chances para que ele volte aos seus porões imundos de onde nunca deveria ter saído.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas