HAMBURGUER_1
SHARE

TSE antidemocrático prepara fraude nas eleições

Anterior
Próximo

Ataques a Cuba

Outra vil mentira dos Estados Unidos

O bloqueio econômico criminoso do imperialismo, que dura há 60 anos, segue prejudicando a economia da ilha

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Se o bloqueio acabasse por somente um dia, Cuba poderia produzir 139 ônibus a mais – Foto: STML/Flickr

(*) Por Angel Guerra Cabrera, no blog La Pupila Insomne. Tradução de Marcia Choueri, correspondente em Havana

Já é conhecida a fixação dos governantes dos Estados Unidos (EU) pelo uso da mentira para justificar suas ações no mundo, que constituem, em geral, flagrantes violações do direito internacional e dos princípios humanistas elementares.

Mas poucas vezes a hipocrisia e o cinismo do império do norte chegaram tão longe como quando seus porta-vozes proferem que as indevidamente chamadas “sanções” econômicas contra países como Cuba, Venezuela, Síria, Irã e Coreia do Norte buscam castigar seus líderes e não as suas populações.

Isso confirmo, ao ler o bem documentado e pormenorizado relatório anual do governo cubano à ONU sobre o prejuízo que o bloqueio provoca a seu povo. Aliás, agora é momento de recordar que Washington chama eufemisticamente de embargo ou sanções a essa medida punitiva de força, arrogando-se o direito, que ninguém lhe conferiu, de decidir quem são os bons e os maus no mundo. Não me deterei a explicar aqui por que se trata de bloqueio e não de embargo. Seria como explicar por que se chama o pão de pão. Mas o termo sanções envolve a arrogância, a soberba e essa obsessiva inclinação de Washington pela mentira, quando tenta encobrir, sob esse vocábulo, graves violações ao direito internacional e aos direitos humanos, que não têm outro nome, que medidas coercitivas unilaterais. São coercitivas por serem aplicadas pela força, e são unilaterais por serem contrárias à Carta da ONU e a outros instrumentos internacionais, ignorando os organismos multilaterais – como o Conselho de Segurança da ONU –, únicos com direito a adotar sanções contra terceiros países, segundo a normatividade internacional.

Mas voltemos ao que constitui o miolo desta alegação: a mentira estadunidense de que as sanções estão dirigidas contra os governantes, e não contra os povos. No período analisado pelo referido relatório do governo cubano, entre março de 2019 e abril de 2020, constata-se que, pela primeira vez desde que se debate esse informe na ONU (1993), a afetação provocada pelo bloqueio à economia cubana ultrapassa 5 bilhões de dólares, chegando ao patamar dos 5 bilhoes e 570.3 milhões, um incremento de cerca de um bilhão e 226 milhões de dólares, em relação ao período anterior, cifra muito alta para uma economia pequena. Esse aumento reflete a hostilidade e o ódio sem limites movidos contra Cuba pelo governo de Trump, mas evidencia, por sua extraordinária magnitude, o objetivo deliberado de ocasionar o maior mal-estar possível, não aos dirigentes, senão ao povo cubano. A ordem de magnitude dessa cifra e o quadro de descaradas ameaças e castigos a todo aquele que, no mundo, ousasse realizar um negócio com Cuba ou conceder-lhe um crédito revela a perversa intenção da medida:

causar fome, escassez generalizada – inclusive de medicamentos essenciais –, longas filas para comprar o mais elementar, com o propósito de provocar uma explosão social do povo cubano e a sonhada mudança de regime. Isto seguido, é óbvio, de planos desestabilizadores, incluindo a tentativa de golpe suave, como se viu nos últimos meses. Levam nisso mais de seis décadas, se contamos desde a adoção das primeiras medidas contra a economia da Ilha, mesmo que formalmente ainda não tivessem decretado o bloqueio.

A crise econômica internacional, bastante agravada pela pandemia, prejudicou Cuba, como o mundo inteiro, mas é assombroso o quanto o bloqueio pode tornar essa situação mais dolorosa, sobretudo devido à fúria com que os Estados Unidos incrementou-a nesses tempos de pandemia. Tomemos um exemplo. O Instituto Finlay de Vacinas teve de recorrer a fornecedores de terceiros países, para realizar compras de produtos de fabricação estadunidense. Para isso, empregou 894 mil 693 dólares, dos quais poderia ter economizado 178 mil 938 dólares, se os tivesse adquirido nos EUA. É só um caso, pois os esforços de Cuba para combater a pandemia foram sensivelmente limitados devido às disposições do bloqueio, especialmente as extraterritoriais, que deram a Washington a possibilidade de privar Cuba deliberadamente de respiradores mecânicos, máscaras, kits de diagnóstico, óculos, trajes, luvas, reagentes e outros insumos necessários para enfrentar a covid. Nessas condições adversas, Cuba não só tem o índice de mortalidade por covid mais baixo da região, senão que aplica massivamente a sua população vacinas criadas por seus cientistas. Além do apoio de seus médicos a mais de 50 nações, para combater a enfermidade. Em alguns dias, os Estados Unidos receberão de novo na ONU o repúdio do mundo a essa política, qualificada como genocida com base na Convenção de Genebra de 1948, e como crime de lesa-humanidade, pelo Estatuto de Roma da Corte Penal Internacional. Sim, senhor Biden.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.