Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
afegao (1)
|

Da redação – O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, disse nesta terça-feira (data local), que o Afeganistão estaria mais perto do que nunca da paz.

Apesar disso, e já conhecendo a demagogia da Otan, os combates no país se intensificaram enquanto as partes negociam um acordo em Doha, no Catar, para supostamente encerrar o longo “conflito”.

“Vemos agora uma oportunidade real para a paz no Afeganistão, estamos mais perto que nunca de um acordo de paz”, disse Stoltenberg depois de se reunir com a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, em Wellington

Relembrando um pouco a história genocida dos Estados Unidos, os norte-americanos enviaram suas tropas no Afeganistão em 2001, logo após o ataque de 11 de setembro ao World Trade Center – um ataque que esta sendo desmascarado nos últimos anos, inclusive, por pessoas do alto comando das forças aéreas e do Exército americano. Foram enviados cerca de 100.000 soldados, que cometeram todo tipo de atrocidades, levando várias organizações internacionais a denunciarem as ações das forças militares dos EUA e da CIA naquele país – incluindo o Tribunal Penal Internacional (TPI) com sede em Haia, que processou centenas de alegações de tortura e assassinatos cometidos contra o governo. Mais além, o jurista gambiano Fatou Bensouda, procurador-chefe do TPI, denunciou que os membros das forças armadas infligiram «atos de tortura, tratamento cruel e ofensa à dignidade da pessoa, em território afegão». Atos que se qualificam, de acordo com o Direito Internacional, como crimes de guerra.

A resposta dos Estados Unidos foi perseguir os que denunciaram seus atos de crueldades, torturas e genocídio. Cancelaram o visto de Bensouda, prenderam o fundador do Wikileaks, Julian Assange nos últimos meses e também perseguem o ex-agente do Serviço de Segurança, Snowlden – os dois denunciaram os crimes dos EUA no Oriente Médio.

Em março passado, Mike Pompeo, secretário de Estado, indicou sua disposição de recusar a entrada de funcionários «que investigarão nosso pessoal em relação ao Afeganistão», pois, aqui fica mais do que claro: a democracia dos EUA é garantida com golpes de Estado, guerras e muita tortura de seus inimigos.

Não há paz alguma no Afeganistão. O que houve foi uma destruição de um país inteiro!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas