Multinacionais imperialistas
A cobiça em torno do lítio é antiga. A Bolívia vem sendo considerada a “Arábia Saudita” do lítio, por ter o minério em grande quantidade e é disputada por interesses estrangeiros.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Elon_Musk
Elon Musk, dono da empresa de automóveis elétricos Tesla | foto: Hub Firms

Elon Musk, empresário bilionário e dono da Tesla – empresa fabricante de carros elétricos – deu declarações polêmicas em seu twitter sobre a sua influência decisiva no golpe de Estado de 2019 sofrido pela Bolívia, que levou à renúncia de Evo Morales mesmo após ter vencido as eleições bolivianas em primeiro  turno, em outubro passado.

Daremos golpe onde quisermos! Lidem com isso”, disse o capitalista, a respeito de seu evidente interesse na desestabilização política da nação boliviana para os interesses da sua empresa, Tesla, na expropriação dos recursos bolivianos, especialmente o lítio, usado nas baterias dos carros da empresa. 

O recurso é abundante no país e é o mais leve dos elementos sólidos na natureza, ideal para fazer pilhas e baterias leves (utilizadas em notebooks, celulares e, agora, nos automóveis)

A Bolívia detém entre 70% e 90% do lítio mundial, sendo a região do Salar do Uyuni – local que é um mar de 10 mil km² de deserto de sal – a região onde se encontra boa parte do mineral. Que tem também o Chile e a Argentina, o “Triângulo do Lítio”, como grandes detentores do produto.

Arábia Saudita do lítio

A cobiça em torno do lítio é antiga. A Bolívia vem sendo considerada a “Arábia Saudita” do lítio, por ter o minério em grande quantidade, sendo disputada por interesses de grandes capitalistas. A Tesla teria tentado fechar acordos ainda no período antes do golpe, porém sem que os resultados desejados fossem obtidos. Evo Morales havia deixado claro que a exploração do lítio haveria de ser feita com a COMIBOL(empresa mineradora nacional da Bolívia) e com a Yacimientos de Lítio Bolivianos (YLB), a empresa nacional de lítio.

Acordos foram fechados com a Rosaton russa em 2019 e com as chinesas TBEA Group e China Machinery Engineering. 

O episódio evidencia como agem as multinacionais imperialistas contra a soberania das nações subdesenvolvidas. Se necessário for, influem nas decisões políticas destes países, derrubam presidentes e até promovem guerras para conseguirem as suas negociatas e o controle econômico que necessitam.

É o caso de Elon Musk, bilionário com fortuna estimada em 70 bilhões de dólares, que em grande medida,  depende do litío, componente necessário para fazer as baterias do automòveis da Tesla. Depois dque precisa doo golpe na Bolívia, as ações da Tesla dispararam no mercado, o que evidencia a lucratividade da operação, cujo resultado para o povo boliviano foi uma devastação que segue promovendo um regime genocida no país vizinho.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas