Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Os “defensores do povo”, integrantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), criado em 2004, receberam, em 2017, rendimento mensal acima do teto previsto. É importante ressaltar que o CNJ é o órgão responsável por controlar, ou melhor, tornar normal, os “penduricalhos” recebidos pelos juízes.

Esse órgão possui pelo menos 14 integrantes, entre conselheiros e secretário geral, que receberam rendimento líquido acima de R$33,7 mil, o que, além de acima do teto constitucional, é o equivalente a um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

A corja de golpistas já anunciou, por diversas vezes, criar ações para dar mais transparência aos vencimentos no Judiciário. Sabe-se que isso é uma hipocrisia sem medidas. Nenhuma medida, até agora, foi tomada para acabar com os supersalários. Não se pode deixar enganar, sem a mobilização e a luta popular, os golpistas apenas praticarão, com potências cada vez mais altas, essas arbitrariedades.

Importante defensor da moralidade e da “luta contra corrupção”, Sérgio Moro, por exemplo, recebe R$4.700,00 de auxílio moradia, sendo que o juiz já possui casa. Além dele, juízes como José Antonio de Paula Santos Neto, recebem “bolsa juiz”, ressaltando que, no caso de Neto, ele possui 60 imóveis em seu nome. A ressalva é importante: os golpistas da justiça são pagos com dinheiro público. O que parece mentira, tendo em vista as discrepâncias entre “quem paga e quem recebe”.

Os benefícios dos golpistas do CNJ extrapolaram pelo menos uma vez, só em 2017, no que inclui salário, auxílio-moradia, auxílio-alimentação, antecipação do décimo terceiro e demais benefícios, segundo levantamento feito pelo Estado. Além disso, eles também acumulam verbas recebidas por sua atuação no CNJ, o que eleva seus vencimentos.

Apesar de os salários base estarem dentro do teto constitucional, os golpistas acabam ultrapassando o patamar com o acumulo de “penduricalhos”. Em 2014, setembro, o ministro Luiz Fux, do STF, concedeu uma liminar que assegura auxílio moradia a todos os juízes em atividade no País. Um mês depois, a corja do CNJ editou uma resolução que assegura ajuda de custo para moradia a todos os membros da magistratura nacional.

Dentre os juízes mais bem pagos neste período está Aloysio Corrêa da Veiga, ministro do Tribunal Superior do Trabalho, que, em dezembro, recebeu R$110 mil. Outros golpistas chegaram a extrapolar o teto em seis meses só no ano passado, como o desembargador do TRT-BA Valtério Ronaldo de Oliveira.

A política golpista é claramente a defendida pelos setores do Judiciário. Fica mais do que claro que esta corja não luta contra corrupção, mas sim pelos seus interesses e do imperialismo. Os “guardiões da moralidade” encontram-se acima da lei, desrespeitando as instituições e ao povo.

Mostra-se evidente e urgente a necessidade da mobilização popular e da luta contra o golpe. Lutar contra as políticas golpistas e contra aqueles que defendem os interesses da burguesia. Anular o golpe, já!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas