Paz com fascistas?
O povo tem o direito de se revoltar de forma violenta, cabe a esquerda organizá-lo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15909444395ed3e2b7c3423_1590944439_3x2_xl
Manifestação antifascistsa | Foto: Reprodução

Na última semana, membros da frente ampla lançaram a campanha de que seria necessário combater a presença de “infiltrados”, atribuindo a eles a ação de enfrentamento com os fascistas nos atos das torcidas organizadas. Em oposição a isso, propuseram a política do pacifismo, citando a acusação de terrorismo proferida pela extrema-direita como um argumento que justificasse a necessidade de recuar a luta e torná-la palatável para a direita.

O exemplo máximo dessa política é o desserviço de Guilherme Boulos em mudar o ato da Avenida Paulista, em São Paulo, para o Largo da Batata, na zona oeste da cidade. O resultado é que a manifestação bolsonarista ocorreu normalmente no local tradicional de manifestação do povo. Com esse caso, fica patente que a política em questão é parte de mais uma manobra da burguesia para arrefecer a luta social em prol do crescimento da extrema-direita nas ruas.

Em primeiro lugar, é preciso dizer que a ação violenta não é uma exclusividade de agentes infiltrados. Considerar isso é excluir o fundamental da luta de classes. O Estado capitalista é o primeiro a impor a violência como uma forma de subjugar o povo à opressão cotidiana da burguesia. Dessa forma, a revolta social é uma consequência necessária da profunda opressão sob a qual o povo está submetido. 

A política pacifista, portanto, objetiva desarmar a população e entregar nas mãos do Estado capitalista a exclusividade da violência. Ou seja, faz a defesa de que os massacres nas favelas sejam respondidos com flores. Que a política genocida do Estado perante a crise econômica e social seja respondido com um apelo silencioso, anulado. Por outro lado, a ação policial para “combater o crime” e impor uma verdadeira ditadura são defendidos sem pudor.  

Igualar a violência à infiltração, portanto, é uma campanha cujo objetivo consiste em desmoralizar o combate contra a extrema-direita. O pacifismo se opõe à política de enfrentamento com os fascistas. Quer dizer, é a contenção da expressão fundamental da revolta social. Essa campanha é travada pelos defensores da frente ampla, pois arrefecer a luta do povo reduz a crise do governo capitalista.

Nada mais normal que a campanha seja encabeçada por funcionários da burguesa, já que a um movimento de esquerda não cabe conter a revolta social, mas organizá-la. No lugar de ações violentas individuais, a luta no sentido da tomada do poder. Desse ponto de vista, portanto, a radicalização das lutas é um indício de um período de grandes enfrentamentos com a burguesia, baseado no aprofundamento das contradições sociais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas