Eleições 2020
Campanha do PCO incomoda imprensa burguesa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pco
Ato Fora Bolsonaro na Av. Paulista | Diário Causa Operária

Começou a campanha eleitoral e é evidente que o Partido da Causa Operária está muito maior, em número de candidatos, que as últimas eleições municipais. Lançaram-se desta vez candidatos em 5 vezes mais cidades, o dobro de candidatos e se tratando do número de capitais, mais que o dobro; em 2016 foram 8 e agora são 20 capitais. 

A campanha do PCO é uma campanha de partido, ou seja, todos os candidatos apresentam o mesmo programa, as mesmas palavras de ordem e defendem a mesma política. 

Acontece que, nesse momento existe uma situação nova, em que o PCO está com muito maior destaque e isso resulta em muitos ataques contra o Partido. A começar pelo monopólio de imprensa burguesa que esconde os candidatos da Causa Operária. Os gráficos da imprensa burguesa que mostram os candidatos afirmam que o PCO tem apenas 8 candidatos nas capitais brasileiras, no entanto, são 20. Sendo que o Partido é o terceiro com o maior número de candidatos em todas as capitais, ficando atrás apenas por um candidato do segundo lugar e três do primeiro. 

São diversas situações que demonstram que os ataques vêm de diversos lados. Nas entrevistas ou debates, jornalistas querem definir o que o candidato pode ou não falar. Há casos, como no debate dos candidatos a prefeitura de Porto Alegre(RS), em que o candidato foi censurado por falar “Fora Bolsonaro”, a principal palavra de ordem do partido no momento e dos trabalhadores neste momento. 

O caso mais gritante dessa perseguição foi o caso que ocorreu em Maceió(AL). O cartório responsável pelo registro de candidaturas se recusou a inscrever os candidatos do PCO. A alegação? O PCO é um partido de esquerda e defende o Fora Bolsonaro. 

Por um lado a imprensa calunia o partido afirmando que ele não apresenta nenhum programa de administração dos municípios falidos. Por outro, as instituições do Estado dificultam ao máximo a simples inscrição de um candidato. A isso some-se bastante polêmica, calúnias e discussões sobre as candidaturas do Partido, sempre de forma depreciativa, evitando o debate político, sobre o programa. Todas são tentativas de impedir a campanha, fatos que demonstram claramente o aumento da influência do PCO.

Convém esclarecer que a campanha do PCO é uma campanha de partido, onde os candidatos são verdadeiros candidatos do Partido e não apenas se utilizam da legenda eleitoral, como nos partidos eleitoreiros. 

A campanha é centralizada, com materiais, propostas e programa definidos de forma coletiva, por toda militância. Não por acaso o grande recurso da campanha é o militante, o ativista, a pessoa que organiza e efetivamente realiza a campanha. 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas