Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
|

Reunidos em São Paulo na última semana na 20ª Conferência Nacional da categoria, os bancários definiram como diretriz política a luta pela liberdade E Lula e sua candidatura à presidência.

Os trabalhadores do ramo financeiro estão entre os principais afetados pelo golpe de estado em curso no Brasil, com uma pesada onda de demissões, terceirizações e a iminência de privatização dos bancos públicos. A pauta da Campanha Nacional Unificada 2018 – a primeira após o golpe – será entregue à federação dos bancos (Febraban) na próxima quarta (13). Dentre as principais reivindicações estão o aumento real dos salários e demais verbas; a defesa da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) com todos os direitos para todos os trabalhadores da categoria; a da mesa única de negociações entre bancos públicos e privados; a manutenção dos empregos, com proibição das demissões em massa; a garantia de que nenhum bancário receba Participação nos Lucros e Resultados (PLR) menor neste ano; a defesa dos bancos públicos como BB, Caixa, BNDES, BNB, Basa e das demais estatais ameaçados de privatização (como a Petrobras e a Eletrobras).

Porém, como os trabalhadores vêm aprendendo com as sucessivas derrotas frente aos golpistas, não basta lutar contra as medidas da direita, é preciso derrotar o golpe para frear o avanço do grande capital rentista sobre a classe trabalhadora. A palavra de ordem central de hoje para derrotar os golpistas é a exigência da liberdade para Lula. Condenado num processo fraudulento conduzido por Sérgio Moro – o Mussolini de Maringá –, Lula está encarcerado há mais de dois meses nas masmorras da Polícia Federal em Curitiba.

A meta dos golpistas é neutralizar sua atuação política como um todo e sobretudo a sua candidatura nas eleições presidenciais de 2018. A liberdade de Lula e a sua participação no pleito não serão concedidos de graça pela direita e pelos golpistas, cujo objetivo é usar o processo eleitoral justamente para legitimar o golpe e aprofundar ainda mais os ataques à população a partir de 2019. A postulação efetiva de Lula à presidência só pode ser conseguida por uma ampla mobilização dos trabalhadores, capaz de desestabilizar definitivamente o golpe e levá-lo à lona.

A partir de uma contundente intervenção feita pelo bancário Renan de Arruda (PCO-DF) no Congresso no sábado (9), os bancários compreenderam a necessidade de mobilização e alinharam-se resolutamente à luta contra o golpe, tirando resoluções que têm como pontos centrais a luta pela defesa da democracia e das eleições 2018, pela liberdade de Lula – que é preso político – e seu direito de ser candidato.

Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT, reforçou:

Será nas urnas, por meio da democracia, que o povo trabalhador poderá alterar os rumos que estão levando o Brasil à ruína desde o golpe. Por isso, orientamos o voto em candidatos a presidente, governadores, senadores, deputados federais e estaduais que se comprometam com a defesa dos bancos públicos, a revogação da reforma trabalhista, da PEC da Morte que congelou investimentos em saúde e educação por 20 anos, da terceirização ilimitada, da reforma da Previdência que acaba com o direito à aposentadoria. O movimento sindical bancário sempre esteve à frente da luta em defesa da democracia e de uma sociedade mais justa e igualitária. Este ano não será diferente. Estaremos junto com outros trabalhadores e com movimentos sociais em defesa desse país soberano que está sendo vendido e desmontado. Vamos para as ruas e para os locais de trabalho debater a importância do voto para devolver o Brasil aos brasileiros e ao desenvolvimento com crescimento e justiça social.

Os bancários mostraram o caminho, portanto: as organizações dos trabalhadores devem politizar definitivamente suas pautas e mobilizar-se na luta contra o golpe. Os setores mais conscientes devem pressionar a CUT pela convocação de uma Greve Geral pela derrota do golpe, pela liberdade de Lula e pelo seu direito de ser candidato à presidência da república. Um processo eleitoral sem Lula fatalmente levará ao aprofundamento do golpe. Os golpistas não permitirão a ascensão de qualquer outro candidato popular e somente Lula é capaz de passar por cima da máquina de propaganda e manipulação da direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas