Torcidas na luta!
Reproduzimos aqui, ótimo texto de denúncia, reivindicação e luta de um companheiro torcedor do Palmeiras e membro do movimento Palestra Sinistro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Torcida feminista do Palestra sinistro (2)
Foto de torcedora do braço feminista do Palestra Sinistro | Foto: Reprodução

A luta das torcidas contra o fascismo irrompeu nos últimos meses, vários coletivos de futebol e torcidas estão se organizando e atuando contra o fascismo por expulsá-los das ruas, fazendo-os voltar para o ralo de onde não deveriam ter saído e ao mesmo tempo lutando contra a pandemia na ajuda as populações necessitadas e excluídas. Exemplos já são vários, como o do Palestra Sinistro, da Democracia Corintiana, e de muitas outros movimentos pelo país. Exemplos que devem ser seguidos por todas as outros coletivos e torcidas populares e antifascistas do Brasil.

As lutas que nesse momento estão voltando às ruas, no caso das torcidas, logo voltarão também aos estádios, se a pandemia terminar. Nesse sentido, através da carta que a seguir reproduziremos, se coloca com toda razão e necessidade as reivindicações levantadas. A começar pela luta contra o futebol “moderno” que se expande para beneficiar o lucro dos capitalistas enquanto expulsa o povo e a classe trabalhadora dos estádios, roubando mais esta festa popular. Os preços dos ingressos e dos programas de sócio – torcedor em sua esmagadora maioria é para escolher como público apenas uma “elite”, da classe média abastada à burguesia, expulsando o povão dos estádios. Esta política anti povo já vem de longe, como o fim das gerais nos estádios, a proibição das bandeiras em várias regiões do país, como no sul e sudeste, com suas novas arenas, a repressão das polícias às torcidas organizadas embasada pelos órgãos golpistas da justiça brasileira como os ministérios públicos, juizados e tribunais que atuam de maneira a favorecer o capital.

Não bastasse isso, ainda querem tirar o povo das ruas, como vemos nas manifestações contra o fascismo, onde justiça e repressão atuam a favor dos setores burgueses, protegendo os fascistas e atacando os trabalhadores, como no caso mais recente da repressão aos torcedores na Paulista durante manifestações anti fascistas. Exemplo famoso também retratado na carta do companheiro a seguir é o caso da repressão à torcida do Palmeiras impedida de entrar na rua Turiassu, localizada em frente a Arena Palestra Itália (esse deveria ser o nome ou outro escolhido pela torcida), reduto de aglomeração, festa e apoio da torcida ao clube.

Então vamos à carta:

“Eu tenho uma posição (que me fortalece e mata ao mesmo tempo); o último jogo que eu assisti do verde em casa foi justamente o último antes da modernização, Palmeiras x Grêmio. Desde então nunca mais pisei na minha casa.
O meu protesto contra a modernização é esse!
Não tem a menor condição de eu um periférico assalariado fazer um plano de sócio para assistir uma partida de futebol do meu clube. E fica pior ainda, pois não pude e não posso levar adiante com meus filhos aquilo que meu pai fez por mim.
O valor do plano é o mesmo que eu pago no convênio dos meus filhos, por exemplo.
Eu não posso fazer essa troca. E ao mesmo tempo me martirizo por não ter o privilégio de estar no campo com meus filhos.
A minha luta aqui com vocês também passa por isso. Muitos de nós também deixaram de acompanhar o time por questões financeiras e o bloqueio da rua colabora e muito para esse afastamento.
Cresci nos ombros do meu pai na Turiassu e no concreto das arquibancadas do Palestra. Vivi de perto a democracia verde nas ruas; Um dia meu pai me olhou nos olhos no meio da Turiassu e disse:
– Filho, está vendo esse povo todo aqui? Eles são a sua família, aqui nós defendemos o verde e o branco.
Isso com toda certeza me forjou o palmeirense que sou. Mas infelizmente esse direito me foi tirado.
Luto e lutarei por um Palmeiras democrático e para o povo.
Luto pelo direito de assistir o meu primeiro amor, junto dos meus amores.
Palmeiras para o povo!”

André dos Santos Sousa (Dézão)- Movimento Palmeiras Sinistro

Nossas páginas e nossas ações estão em apoio as lutas de todas as torcidas que defendem o direito dos trabalhadores, das mulheres, dos negros, da juventude e demais setores oprimidos contra a exploração capitalista em todas as suas formas, o futebol é do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas