França
Colocada como a principal motivação para que crimes como o assassinato do professor Samuel Paty aconteçam, a intolerância religiosa é apenas um dos fatores que levam à esses crimes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Samuel Paty foi decaptado após aula onde expusera charges do profeta Maomé
Samuel Paty foi decaptado após aula onde expusera charges do profeta Maomé | Foto: Reprodução

Na última semana, um crime ganhou grande notoriedade na França, onde um professor, Samuel Paty, foi decapitado na última sexta-feira (16), em Conflans Sainte-Honorine, próximo a escola onde lecionava. O crime teria ocorrido após o professor em uma aula sobre liberdade de expressão ter exposto aos alunos charges com a imagem do profeta Maomé, grande líder da religião islâmica. Com isso, após a divulgação de um vídeo onde um pai de uma aluna da escola se mostra revoltado com o professor e sua atitude, Abdullakh Anzorov, um checheno de origem russa, acabou cometendo o crime com a ajuda de mais dois adolescentes entre 14 e 15 anos, que identificaram o professor em questão para o assassino.

O crime está sendo associado à intolerância religiosa, pela utilização da imagem do profeta Maomé na aula de Samuel Paty, mas devemos nos atentar para outras questões que possam ter levado a essa reação entre os árabes dentro do território francês e o que isso pode representar aos imigrantes que estão dentro do país daqui pra frente. A decapitação do professor é algo bárbaro, e essa não é a primeira vez que atitudes extremas são realizadas pelo povo islâmico no país, vide o caso do jornal Charlie Hebdo, onde em 2015 doze pessoas foram assassinadas dentro do prédio onde ficava a redação do jornal em Paris, capital francesa. O povo islâmico é conhecido pela sua grande devoção e o que chamam de fanatismo religioso, algo sempre colocado como o principal motivo para que esse tipo de crime aconteça dentro da Europa, mas o que é escondido na maioria das vezes são outros fatores que estão associados à intolerância religiosa.

Não é de hoje que imigrantes, principalmente aqueles vindos do Oriente Médio, são frequentemente humilhados e tratados como verdadeiros criminosos dentro do continente Europeu, principalmente após os episódios de grandes proporções envolvendo o povo islâmico como foram o 11 de setembro e o próprio Charlie Hebdo. Os imigrantes são ameaçados de deportação, trabalham em serviços degradantes, ficam sem ter onde morar, sem ter o que comer, e ainda enfrentam perseguições por suas religiões, costumes e culturas, além de toda a opressão vinda de diversas esferas da sociedade, afinal o preconceito com o povo islâmico é muito forte principalmente nos países europeus e nos Estados Unidos. A intolerância religiosa e a defesa do profeta Maomé são utilizadas muitas vezes para taxar os imigrantes como “extremistas” e até mesmo como pessoas “loucas”, e com isso escondem todas as outras situações que acabam terminando nessas atitudes extremas, a intolerância religiosa é apenas mais um dos fatores de opressão que ocorrem dentro do continente europeu com os islâmicos, e não o único.

Além disso, crimes como esse são utilizados como justificativa para o aumento da perseguição e da opressão ao povo islâmico pelo Estado burguês e as forças imperialistas. Após o ocorrido, o governo de Emmanuel Macron já sinalizou que ações contra o islamismo radical devam se intensificar em território francês além de já ter sido anunciado a dissolução do coletivo pró-palestino Cheikh Yassine, e também o fechamento por seis meses da mesquita de Pantin, ao norte de Paris, por seus membros terem divulgado o vídeo do pai revoltado com a aula de Samuel Paty, e ao ver do governo francês terem “estimulado” que o crime acontecesse. Ao mesmo tempo em que os imigrantes são ainda mais oprimidos em território francês após atitudes extremas e crimes como o caso do professor Samuel Paty, a França e os grandes países imperialistas continuam com seus ataques frequentes estimulando e financiando a morte de milhares de palestinos e islâmicos no oriente médio. A morte do professor Samuel Paty é apenas um reflexo de toda a opressão e preconceito sofrido pelo povo islâmico dentro do território europeu.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas