Mais repressão, mais violência
A Operação Marias da Polícia Civil do ES prendeu mais de 240 homens em suas seis operações somente nesse ano. Mais repressão, mais violência contra mulher
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
policia civil
A simpática e bondosa Polícia Civil em ação | Foto: Kadir Aksoy

Nesta última quarta-feira, dia 2 de Novembro, a Operação “Marias” da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo prendeu seis novos suspeitos de agressões contra mulheres na sexta fase da ação. Todos os envolvidos tinham mandato de prisão expedido e em aberto: cinco por violência doméstica e outro por estupro. As prisões aconteceram em Guarapari, Serra, Viana e Vila Velha. A ação retrata o caráter predatório da ação promovida pela Polícia Civil do estado que caça os suspeitos e os encarcera.

No ano passado, a Operação “Marias” realizou a prisão de 389 homens supostos autores de violência contra a mulher nos municípios do Espírito Santo. Contudo, não só na região, mas como em todo Brasil, em que estratégias de repressão similares são postas em prática, a violência contra mulher não se reduziu, pelo contrário, aumentou. E claro, algo óbvio, a repressão policial explodiu. É um tiro no pé de alguns setores da sociedade que esperam que a demagogia com a mulher trouxesse resultados pela mão da polícia.

É importante ressaltar um aspecto que é levantado quando se contrapõe a violência policial, inclusive contra a mulher, e o combate à essa violência pela ação das polícias. As ações foram realizadas por um grupo que contém no próprio nome, a Divisão Especializada de Atendimento à Mulher, uma provável especialização “humana” que poderia permitir que as mulheres e suas famílias, especialmente nas comunidades e bairros populares, sejam tratadas com respeito. Pois bem, é uma ilusão. As polícias no Brasil, desde a Polícia Militar, a Guarda Civil dos municípios, a Polícia Civil e as Polícias Privadas não passam de bandos de extermínio da população pobre e negra no Brasil e fascistas inimigos da mulher. Portanto, não podemos esperar algo delas, temos que pedir sua extinção.

Segundo as palavras da delegada da Divisão: “com toda a veemência e rigor na repressão desses atos de violência, praticados contra as mulheres, mas também na prevenção. Para isso, nós precisamos de todo comprometimento da comunidade”. Essa declaração deixa claro que a intenção é possibilitar que a violência policial adentre o espaço familiar, incluindo eventual repressão para “prevenção”. Esse tipo de mensagem estimula ações desmedidas e a denúncia dos agressores, facilitando à ação repressiva da polícia, que não resolve o problema da violência contra a mulher.

Em meio à pandemia e ao crescimento da violência contra mulher, tudo que as instituições e órgãos públicos tem feito é no sentido de desmantelar e precarizar os suportes sociais da mulher, como as casas de acolhida em caso de violência doméstica, as creches que garantem o emprego das mães e sua independência financeira, entre outras ações que buscavam auxiliar as mulheres nas situações difíceis do cotidiano. É preciso denunciar a propaganda demagógica da direita que utiliza a suposta crise de consciência dos agressores para instaurar a violência contra população. É preciso que as mulheres se organizem para lutar e reivindicar melhores suportes sociais, seus direitos e interesses, promovendo também sua auto defesa e pelo fim da repressão, pelo fim das polícias!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas