ONU denuncia crimes de guerra da coalizão liderada pelos sauditas no Iêmen, os responsáveis são os EUA

2015-03-23T112845Z_2055901025_GF10000035611_RTRMADP_3_YEMEN-SECURITY

Os ataques aéreos da Arábia Saudita e da coalizão militar liderada pelos Emirados Árabes Unidos causaram as baixas civis mais diretas na guerra do Iêmen, e um bloqueio dos portos e do espaço aéreo iemenita pode ter violado o direito internacional humanitário. A aliança, que está em guerra com os rebeldes Houthi desde março de 2015, nega repetidas vezes as alegações de crimes de guerra e alega que seus ataques não são direcionados a civis.

Um porta-voz do Exército saudita disse que o relatório da ONU foi encaminhado a uma equipe jurídica para análise e anunciará suas conclusões depois que ela for completada. O ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash, disse que o relatório merece uma resposta. “Devemos rever e responder ao relatório dos especialistas da ONU publicado hoje”, disse Gargash em um tweet. “A coalizão está cumprindo seu papel na recuperação do Estado iemenita e assegurando o futuro da região da interferência iraniana.”

Dados coletados pela Al Jazeera e pelo Projeto de Dados do Iêmen descobriram que quase um terço dos 16 mil ataques aéreos realizados no país atingiram locais não militares. Os ataques têm como alvo casamentos e hospitais, bem como usinas de água e eletricidade, matando e ferindo milhares de pessoas. A organização Save the Children estimou que uma média de 130 crianças morrem todos os dias de fome extrema e doenças – uma crise provocada pelo conflito. E de acordo com a ONU, pelo menos 10 mil pessoas foram mortas desde o início do conflito. No entanto, analistas dizem que o número de mortos provavelmente será maior. A ONU descreveu a situação no Iêmen como a pior crise humanitária do mundo.

Violações continuam

“O grupo de especialistas tem razões para acreditar que o governo do Iêmen, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos é responsável pelas violações dos direitos humanos”, disse Kamel Jendoubi, líder das Nações Unidas. “Violações e crimes foram perpetrados e continuam a ser perpetrados no Iêmen pelas partes envolvidas no conflito.”

“Membros do governo do Iêmen e da coalizão [saudita-EAU] podem ter realizado ataques desproporcionais e podem constituir crimes de guerra”, acrescentou Jendoubi. Os especialistas também acusaram os Houthis de bombardear indiscriminadamente em áreas civis, e franco-atiradores contra os não-combatentes. Eles conclamaram a comunidade internacional a “abster-se de fornecer armas que possam ser usadas no conflito” – uma aparente referência a países como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, que as fornecem para a aliança saudita-UAE. O Irã também foi acusado de fornecer armas para os Houthis, alegações que Teerã nega.

Apoio americano

Apesar das repetidas petições de grupos de defesa dos direitos humanos, os EUA ajudam a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos na “realização de bombardeios aéreos no Iêmen” e fornecem “serviços de reabastecimento aéreo” para seus aviões de guerra. Entre 2010 e 2015,

Washington também vendeu mais de US$ 90 bilhões em equipamentos militares para Riad. Mas após um recente ataque aéreo em um ônibus escolar que matou 40 crianças, alguns membros do Congresso pediram que os militares dos EUA esclarecessem seu papel na guerra e investigassem se o apoio aos ataques aéreos poderia responsabilizar militares americanos sob os crimes de guerra.”

Questionado sobre o relatório da ONU, o chefe da defesa dos EUA, James Mattis, disse na terça-feira que o apoio à coalizão saudita-EAU está sendo constantemente revisado e não é incondicional.

“Em nenhum momento nos sentimos rejeitados ou ignorados quando trazemos preocupações a eles. O treinamento que lhes demos sabemos que valeu a pena”, disse ele em entrevista coletiva.

“Nossa conduta é tentar manter o custo humano de inocentes sendo mortos acidentalmente no mínimo absoluto. Esse é o nosso objetivo quando nos envolvemos com a coalizão. Nosso objetivo é reduzir essa tragédia e levá-la para a mesa de negociação da ONU o mais rápido possível”, disse Mattis.

Os investigadores da ONU disseram que quase uma dúzia de ataques aéreos mortais que investigaram no ano passado “levantam sérias dúvidas sobre o processo de seleção aplicado pela coalizão”. “Apesar da gravidade da situação, continuamos assistindo a um completo desrespeito pelas pessoas no Iêmen”, disse Charles Garraway, um dos autores do relatório. “Este conflito atingiu o seu pico sem nenhuma visão aparente da luz no fim do túnel. É, de fato, uma crise esquecida.”

Tradução: Al Jazera news