Cinismo
A Organização das Nações Unidas declarou nesta segunda-feira (24) seu apoio a nova data estabelecida pela extrema-direita para as eleições na Bolívia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Michelle Bachelet
Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, a chilena Michelle Bachelet | Foto: Reprodução

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira (24) a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, saudou o acordo feito pela direita golpista boliviana para as eleições que irão ocorrer em 18 de setembro. A data foi escolhida e aprovada no senado, após uma greve geral e vários protestos realizados pelo COB Confederação Operária da Bolívia, que pediam as eleições para o dia 6 de setembro e no máximo para 11 de outubro. Com essa declaração a ONU avaliza oficialmente o golpe de estado na Bolívia.

A data acertada pela ditadura de extrema-direita, que deu o golpe no país após as últimas eleições, difere da exigida pelos movimentos sociais que pediam uma lei ao parlamento que fixasse a data para o dia 11 de outubro. As eleições bolivianas já foram adiadas três vezes, utilizando a pandemia como desculpa. A eleições estavam marcada para 3 de maio. A primeira vez foi adiada para a primeira semana de agosto, depois para 6 de setembro a agora para 18 de outubro.

Jeanine Áñez, a golpista autoproclamada, deveria ter deixado o “governo de transição” em 22 de janeiro, mas desde então junto a Assembléia Legislativa e o judiciário vem adiando as eleições que segundo pesquisas tem o candidato do Movimento ao Socialismo MAS, partido de Evo Morales, liderando nas intenções de voto. O engraçado é último adiamento os golpistas tiveram a ajuda do próprio MAS que capitulou diante da extrema direita e ajudou a aprovar a nova data para as eleições.

O que temos agora é no mínimo uma atitude muita suspeita da ONU, de parabenizar a ditadura pela nova data das eleições escolhida pela extrema direita. Organização essa que é parte do imperialismo que defende simplesmente os interesses dos monopólios capitalistas. Justo a ONU, que quando houve o golpe de estado na Bolívia, não disse absolutamente nada. Inclusive se utilizou da OEA, que é uma organização que faz parte das suas instituições, para dizer que as eleições em que Evo Morales ganhou em 2019 foram fraudadas e pressionar pela sua renuncia levando a ditadura ao poder.

No inicio do mês de agosto após sucessivos protesto contra o governo golpista, Áñez ordenou a militarização das principais cidades do país, e a promotoria de La Paz admitiu uma denúncia contra o ex-presidente Evo Morales, o dirigente da Central Obrera Boliviana (COB), Juan Carlos Huarachi, e os candidatos do Movimento pelo Socialismo-Instrumento pela Soberania dos Povos (MAS-Ipsp) Luis Arce e David Choquehuanca. E o Ministério Público informou ainda que desde 5 de agosto está processando outras 12 pessoas. Na semana passada surgiu uma nova denuncia contra o ex-presidente Evo Morales, que está sendo acusado de estupro, o governo de Áñez abriu um processo contra ele por abuso sexual e tráfico de pessoas.

É importante acompanhar a situação das eleições bolivianas, que no entanto tudo leva a crer que a extrema direita e o imperialismo estão trabalhando incansavelmente para que o processo eleitoral no país seja o mais manipulado, viciado, arbitrário e golpista possível para que se mantenha a ditadura na Bolívia. É necessário que população saia as ruas para denunciar os duros ataques que o povo boliviano vem sofrendo e impeçam a fraude eleitoral e derrubar pela força a ditadura golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas