”Olavete”: Brasil saiu do pacto migratório porque o ministro de Relações Exteriores é capacho dos EUA

ernesto (2)

Da redação – O presidente golpista eleito pela fraude, Jair Bolsonaro (PSL), confirmou, via Twitter, que o Brasil sairá do Pacto Global para Migração, Segura, Ordenada e Regular, da Organização das Nações Unidas (ONU), seguindo as ordens do seu patrão, os EUA, que também se retiraram. Bolsonaro disse que o país é soberano para decidir se aceita ou não migrantes, e, quem por ventura vier para o Brasil, deverá estar sujeito às nossas leis, regras e costumes, bem como deverá cantar nosso hino e respeitar nossa cultura.

Primeiramente, devemos frisar que Bolsonaro está seguindo no rumo do alinhamento com os norte-americanos que deram o golpe em Dilma Rousseff (PT), junto ao Ministro do Exterior, Ernesto Araújo, um seguidor de Olavo de Carvalho, são um bloco completamente serviçal dessa política imperialista anti-imigratória.

Segundo, que pedir uma união entre os países em torno do grande problema da imigração, desencadeada por conta da política imperialista, das guerras, do golpismo de países como os EUA, França, Inglaterra, contra países explorados, é algo extremamente cínico. A ONU, enquanto grande órgão onde esses países imperialistas se encontram muitas vezes para organizar sua política cínica, usa da demagogia sobre as últimas ”crises migratórias”, mas que, na verdade, essa direita utiliza como mão-de-obra barata para diminuir salários em seus países. Assim, a mesma direita que leva a guerra aos países do oriente médio, que organiza golpes de estado na África, nas Américas, finge que se preocupa com a questão da imigração na ONU enquanto em seus países os indivíduos da extrema-direita se posicionam de forma agressiva contra os imigrantes.

Hoje no mundo temos mais de 68 milhões de pessoas que saíram de seus países por diversos motivos, incluindo migrantes e refugiados e até dezembro de 2018, foram registrados 3.323 mortos ou desaparecimentos em rotas migratórias, especialmente no Mar Mediterrâneo, por onde passam migrantes da África e Ásia que tentam chegar à Europa.

O que os golpistas estão fazendo é uma política de extrema-direita, alinhada aos partidos da extrema-direita européia, como o AfD na Alemanha. São entreguistas, não são brasileiros, querem perseguir os trabalhadores e estão destruindo direitos básicos da classe trabalhadora.