Luta pela terra
Ação fascista realizada no Assentamento Jaci Rocha foi uma maneira para justificar a perseguição a famílias sem terra e à direção do MST
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-08-29 at 14.13.03 (1)
PM e PF tentam intimidar os trabalhadores | Imagem: DCO

Na quinta-feira passada (27/08), a extrema-direita na Bahia organizou uma ofensiva, juntamente com Jair Bolsonaro e o pistoleiro Antônio Nabhan Garcia, no Assentamento Jaci Rocha, no município de Prado, no Extremo Sul da Bahia.

As famílias assentadas foram surpreendidas com a invasão do assentamento pela polícia militar, juntamente com o superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), o bolsonarista Paulo de Emmanuel Macedo de Almeida Alves, para inserir em um lote um grupo de pessoas para mais tarde organizar uma “arapuca” contra o assentamento e a direção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

No período noturno, a PM e o INCRA se retiraram e deixaram essas pessoas no lote, e para surpresa de todos, casas, moto e trator foram incendiados de maneira criminosa. Esse fato serviu para que a Polícia Militar, agora com a Polícia Federal, sem nenhum tipo de autorização, invadisse novamente o assentamento para incriminar as famílias e, em especial, da direção do MST. Ficou evidente a farsa montada para que a direita atacasse o assentamento e o MST na região.

Também numa jogada ensaiada, o secretário de assuntos fundiários, o latifundiário e pistoleiro do Pontal do Paranapanema em São Paulo, Antonio Nabhan Garcia, fez um vídeo criminoso onde ataca o MST e diz que vai para cima dos movimentos de luta pela terra para acabar com isso.

A ação da polícia, da direita e dos pistoleiros só não foi pior e com maior violência porque as famílias se organizaram para se defenderem e havia uma imprensa no local para divulgar e denunciar a ação criminosa realizada pela extrema direita contra as famílias de trabalhadores sem terra. O Diário da Causa Operária, juntamente com o coletivo de Comunicação do MST trataram de escrever e divulgar a ação e isso expos a direita, amenizando a ação da PM e da PF.

A extrema-direita, comandada diretamente pelo pistoleiro e latifundiário Antonio Nabhan, estão organizando com apoio de Jair Bolsonaro uma enorme ofensiva contra a luta pela terra mirando nas organizações dos trabalhadores, o MST.

Está claro que a extrema-direita busca uma maneira para esmagar a organização dos trabalhadores da luta pela terra para colocar em marcha seu plano de acabar com a reforma agrária, reprimir os trabalhadores e privatizar os assentamentos rurais, como foi apresentado pelo pistoleiro Nabhan.

É preciso organizar os trabalhadores da cidade e do campo, através de suas organizações e colocar todos os esforços para enfrentar a direita e o latifúndio. Há uma onda de despejos e invasão dos assentamentos pela direita, e essa situação tem que ser enfrentada na luta e da maneira que for necessária para impedir a aniquilação das organizações de trabalhadores, como o MST.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje

Nenhum dado até agora.