Bolívia
O MAS denunciou que a União Europeia e a Organização dos Estados Americanos estão enviado observadores para a Bolívia, os mesmo que participaram da fraude de 2019
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
3V2WUKNQBZBHDFO2Z6L45MQEKA
Apoiadores de Evo Morales exigem eleições gerais | Foto: Reprodução

O Movimento ao Socialismo (MAS), partido que sofreu o golpe de Estado de 2019, solicitou ao Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) informações que têm por objetivo garantir a transparência nas eleições presidenciais que se aproximam na Bolívia. As eleições estão programadas para ocorrer neste domingo, 18 de outubro. O candidato deste partido de esquerda está em primeiro lugar em todas as pesquisas eleitorais.

Em documento, o partido manifesta preocupação com a possibilidade de que os observadores enviados pela Organização dos Estados Americanos (OEA) sejam os mesmos que participaram das manobras do golpe de Estado. A União Europeia, que reconhece o governo golpista de Añez, está enviando observadores para o país sul-americano.

A preocupação do MAS é legítima, pois a extrema-direita há muito se articula no interior das instituições públicas para impedir que a esquerda volte ao poder. Jeanine Añez declara abertamente que o objetivo é impedir a esquerda de retornar à presidência da República.

Os observadores internacionais da OEA, União Europeia e Estados Unidos servem apenas para manipular as eleições. Se a esquerda vence, os observadores vão acusar uma suposta fraude, exatamente como foi feito nas eleições de 2019. Se a direita vencer, o que é muito difícil de acontecer por vias normais, a eleição será considerada legítima.

Os relatórios produzidos pelas organizações internacionais, divulgados pela imprensa capitalista, têm o claro propósito de intervir nas eleições bolivianas. Foram justamente as acusações de que o ex-presidente Evo Morales, eleito em primeiro turno, tinha fraudado as eleições que deu fundamento político para a ofensiva golpista.

É provável que a direita procure manipular os dados e utilizar-se das instituições públicas para pôr Carlos Mesa no segundo turno. Com uma vitória eleitoral da direita, a ideia é passar a mensagem de que o povo boliviano escolheu a direita. Trata-se de um outro golpe de Estado com a fachada eleitoral, como outros realizados em toda a América Latina, inclusive no Brasil, com a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro.

O imperialismo conspira com a direita boliviana para impedir, por todos os meios possíveis, o retorno do MAS ao poder. Nesse contexto de crise capitalista generalizada, nem mesmo o moderado nacionalismo burguês boliviano é tolerado, uma vez que este realiza concessões às massas. A política neoliberal, que corresponde ao atual estágio do imperialismo, exige que se implemente um programa de retirada de direitos, desregulamentações, privatizações e ataques a todos os direitos democráticos fundamentais da população.

A perspectiva de uma fraude eleitoral promovida pela direita é real na Bolívia. Cabe à esquerda mobilizar nas ruas para impedir que se consume a fraude.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas