Fora Bolsonaro
A greve dos petroleiros e de trabalhadores de outras estatais podem ser o estopim para desencadear uma grande luta para por abaixo o governo fascista e golpe de Estado de 2016.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fup
Foto reprodução |

Em resposta à decisão do ministro fascista do Superior Tribunal do Trabalho, Ives Grandra Martins Filho, que, na prática, decretou a ilegalidade da greve dos petroleiros na terça-feira, 4, a Federação Única dos Petroleiros (FUP), acertadamente, conclamou a categoria a aprofundar a greve por todo o País.

Já são 30 unidades operacionais paralisadas  e 15 mil trabalhadores em greve, inclusive os trabalhares da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), da Araucária Nitrogenados, uma subsidiária da Petrobras. O governo golpista quer encerrar as atividades da Fafen e demitir mais de mil trabalhadores. Foi justamente nessa fábrica que, na sexta-feira passada, desconsiderando o alerta dos funcionários sobre a necessidade de manutenção das caldeiras em funcionamento, a direção da empresa, conscientemente, produziu um acidente que paralisou uma caldeira e levou ao vazamento de amônia, substância altamente tóxica que poderia ter consequências graves para os trabalhadores acampados na porta da fabrica e também para a população da cidade de Araucária.

A política do governo fascista de Bolsonaro é a de liquidar com a Petrobras por partes – venda do pré-sal, de refinarias e de subsidiárias, com a BR Distribuidora e a Araucária Nitrogenadas – de tal maneira que no final das contas o que vai sobrar são restos de uma empresa absolutamente destituída de valor.

No seu afã entreguista, além da liquidação das riquezas do País em favor das empresas imperialistas, o governo ainda promove demissões em massa, como é o caso do que pretende fazer com a Fafen, e o desmantelamento dos direitos trabalhistas conquistados pela categoria dos petroleiros ao longo de sua história de lutas.

A greve desencadeada desde a meia-noite do sábado, 1º de fevereiro, é demonstração de que o governo do fascista Bolsonaro não terá caminho fácil no seu intento. Mais ainda, a reação do governo diante da greve em usar o Judiciário para impor multas de até 500 mil por dia aos sindicatos e a exigência de que 90% da força de trabalho mantenham suas atividades nas unidades da companhia é a prova maior de que a greve tem potencial para se desencadear um grande movimento de luta contra o golpe e todas suas medidas.

Desse ponto de vista, é de fundamental importância superar  a política de resistência, de luta isolada, miúda, contra o governo, levada até agora pela quase totalidade da esquerda e pelos sindicatos. O caminho é a mobilização efetiva para por abaixo o governo Bolsonaro e sua política macabra de destruição nacional. Iniciativas dos trabalhadores embora ainda tímidas apresentam o caminho a ser seguido, como são os casos das ocupações da fábrica da Casa da Moeda e da Fafen – PR. As ocupações são um método de luta fundamental da luta de classes. 

Os sindicatos e os trabalhadores petroleiros precisam de solidariedade ativa e esse papel cabe a CUT, aos seus sindicatos e todos aqueles que lutam contra o golpe de Estado de 2016. As condições são favoráveis. Existe uma clara tendência de luta como se vê nas greves em andamento. Aos trabalhadores da Petrobras, da Casa da Moeda e da Dataprev devem se somar trabalhadores dos Correios, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica, da Eletrobras e de suas subsidiárias e muitas outras categorias, todas ameaças pelo desmonte que vem promovendo o governo fascista de Bolsonaro. 

Por outro lado, uma efetiva campanha ofensiva contra o governo tem de estar calcada na palavra de ordem central e que unifica não apenas os trabalhadores das estatais, mas o conjunto dos explorados do País que é o Fora Bolsonaro.

Portanto, a radicalização da greve com  ocupação das refinarias contra o desmonte que o governo pretende promover e a luta pelo Fora Bolsonaro, são duas políticas que se completam na luta para por abaixo o regime saído do golpe de 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas