Abaixo a reforma da previdência em São Paulo: ocupar a Câmara dos vereadores e não deixar votar
IMG-20181221-WA0069
Abaixo a reforma da previdência em São Paulo: ocupar a Câmara dos vereadores e não deixar votar
IMG-20181221-WA0069

Nota de um servidor público da corrente Educadores em Luta

Os 33 criminosos vereadores e o governo já mostraram a sua face, são os defensores dos bancos que irão lucrar às nossas custas, são os defensores do golpe de Estado, que nos ataca agora.

A nossa única chance é a ampla mobilização como em março último, quando nós servidores públicos municipais de São Paulo, demos uma grande demonstração do que é a força da mobilização política dos trabalhadores.

Na ocasião, a grande maioria dos vereadores golpistas da direita, na Câmara municipal votou contra, se absteve ou mesmo fugiu da votação do PL 621/2016, ou, como é mais conhecido Sampaprev, projeto que impõe brutal arrocho salarial aos servidores, aumentando de 11% para 14% o desconto em folha dos servidores, podendo chegar nos próximos anos à 20%, além do que institui medidas que levarão à privatização e falência do sistema de previdência pública solidária dos servidores.

Com mobilizações centrais que reuniram em mais de uma ocasião 100 mil servidores no centro de São Paulo e com manifestações regionais ”in loco”, ou seja, com os servidores indo pessoalmente e em grupos cobrar os vereadores, ao mesmo tempo em que denunciavam em suas bases e a população de forma geral, o crime que estes estavam a cometer contra milhares de servidores paulistanos. Esta política dos servidores e sua mobilização foi a responsável por derrotar os golpistas. Infelizmente não há mais tempo para isso, o ano já  acabou e não podemos cair na armadilha de dizer que vamos começar o ano em greve, o projeto já estará aprovado e implementado, será muito mais difícil.

A hora é agora!

A única saída é darmos uma exemplar demonstração de força e pela mobilização de milhares ocuparmos a Câmara dos vereadores e interditar toda a criminosa votação contra os mais de 120 mil servidores da capital.