Meio Ambiente
Observatório do Clima tira nota afirmando que Alta do desmatamento não é inépcia; é projeto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Observatorio-do-Clima-acusa-Bolsonaro-de-incentivar-crime-na-Amazonia-900x505 (1)
Clareira de desmatamento | Foto: Reprodução BNC Amazonas

Ao analisar os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), nesta sexta feira dia 7 de agosto, o secretário-executivo do Observatório do Clima, Marcio Astrini afirmou que “ o crime tomou conta da Amazônia incentivado pelo próprio governo Bolsonaro”. Foram desmatados 9.205km² no período de 1 de agosto de 2019 a julho de 2020, número é o maior da série histórica e indicam que o Brasil fracassou no cumprimento de sua lei do clima, que limitava  um desmatamento máximo de 3.925 km² para 2020.

 

Ainda segundo Astrini: “Isso também nos desvia da rota do Acordo de Paris, o que criará uma série de dificuldades comerciais para o Brasil no período crítico de recuperação econômica no pós-pandemia.”

 

Em nota o Observatório do Clima alegar que desde o início do governo Bolsonaro, povos indígenas, organizações ambientais, servidores públicos e  Ministério Público, têm alertado sobre o desmonte da governança ambiental brasileira. Ainda na nota o afirma que:  “Acontece porque a agenda do governo Bolsonaro é promover ativamente a devastação. Não é inépcia; é projeto.”

 

Embora o Ministério do Ambiente ainda exista houve um “fechamento branco”, onde desmantelaram os plano de combate aos desmatamento na Amazônia e no Cerrado, ignoraram o Acordo de Paris, iniciaram uma perseguição aos fiscais e não realizaram qualquer investimento para combate aos ilícitos ambientais, mesmo tendo 2 bilhões em caixa. Segundo trecho da nota: “Tal conjunto de ações e omissões, que o ministro do Meio Ambiente tão bem sintetizou na infame expressão ‘passar a boiada’, é o responsável direto pelo descontrole do desmatamento, que transforma o Brasil em pária internacional e ameaça levar embora investimentos no momento em que eles são mais necessários, o de recuperação econômica no pós-pandemia”

 

Segundo Suely Araújo, especialista-sênior em políticas públicas do Observatório do Clima: “O ministro do Meio Ambiente (Ricardo Salles) segue as ordens de seu patrão. Quem lucra com isso é o desmatador ilegal, o grileiro, o investidor no garimpo sem controle que explora trabalho escravo”. Ainda segundo Brenda Brito, pesquisadora-associada do Imazon: “Será difícil conter o desmatamento se o governo continuar a intenção de alterar a legislação fundiária para legalizar áreas desmatadas e invadidas ilegalmente. A grilagem de terras públicas é um vetor do desmatamento, que é estimulado com a expectativa de anistia e legalização”.

 

A nota ainda aponta que “Será também a primeira vez na história que o desmatamento na Amazônia tem duas altas seguidas na casa dos 30%”. Os dados deixam claro que o desmatamento é parte de uma política sistemática do governo golpista. Como todos os outros aspectos das políticas do governo golpista de Bolsonaro, essas politicas são contrários aos interesses da população, e servem como um veículos de transferência de recursos públicos da população, para as mãos dos grandes capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas