Arte na pandemia
A semana de arte moderna ocorreu de 13 a 18 de fevereiro de 1922, por artistas que representavam a vanguarda européia pela renovação geral da arte ocidental.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
25227303346_911bca11fd_c (1)
Foto: sem título 1990 - Jorge Varanda (1953 - 2008) por pedrosimões |

Em meio à pandemia, o jornal Estadão, em matéria, relata que a TV Cultura está para estrear no dia 13 uma série inédita, intitulada “Modernistas”, dirigida pelo cineasta Ricardo Elias, que vai ao ar às 22:45 h.

A produção deverá mostrar a trajetória dos principais artistas modernistas como Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Brecheret.

A semana de arte moderna ocorreu de 13 a 18 de fevereiro de 1922, por artistas que representavam a vanguarda européia pela renovação geral da arte ocidental. O evento ocorre particularmente entre Rio de Janeiro e São Paulo. Envolveu escritores, pintores, escultores, músicos, intelectuais.

Em especial no ano de 19l7, a exposição de arte moderna de Anita Malfatti é considerada a precursora do modernismo no Brasil. Essa exposição contou com a crítica conservadora e também de Monteiro Lobato que escreveu a crítica “Paranóia ou mistificação?

Ao mesmo tempo impressionou positivamente a Mário e Oswald de Andrade, Menotti Del Picchia e Di Cavalcanti. Que possivelmente tenham sido influenciados pela nova arte. 

Até então a arte que figurava no Brasil, era influenciada pelo Parnasianismo, também importado da europa, dentre outros estilos. Ele tinha como característica estética o rigor formal e elevada erudição, exemplo disso é o Hino Nacional Brasileiro.

A Revolução Industrial traz a luz elétrica, automóveis, fábricas, modificando o modo de viver e as relações humanas. A 1ª guerra mundial trouxe destruição e morte em larga escala e tudo isso influenciou o olhar do artista para a sociedade.

O início do século XX trouxe muitas modificações sociais e o Brasil também sofreu o impacto dessas mudanças. 1922 foi o ano do centenário da Independência, tivemos o início da industrialização, tudo isso contribuiu para a renovação intelectual e artística.

Outros movimentos como o Cubismo e o Expressionismo não tiveram a mesma influência. Não se formaram escolas deste estilo por aqui. E assim o modernismo figurou como rompimento com modelos academicistas que vigoravam então.

As apresentações que causaram maior polêmica foram: o discurso de Mário de Andrade, cujo texto se tornaria a obra A escrava, que não é Isaura. O discurso sobre a nova estética por Paulo Menotti del Picchia, e em meio às gritarias generalizadas foi lido o poema de Manuel Bandeira, O Sapo, que ridicularizava os parnasianistas.

Além das exposições, as obras eram lidas e intercaladas por danças e peças musicais de Villa Lobos, Guiomar Novais, Ernâni Braga, etc. Principais artistas: – escultura: Wilhelm Haarberg, Victor Brecheret, Hildegardo Leão Velloso, pintura: Anita Malfatti, Antonio Paim Vieira, Emiliano Di Cavalcanti, Ferrignac, Vicente do Rego Monteiro, Yan de Almeida Prado, John Graz e Zina Aita, arquitetos: Antonio Moya, Georg Przyrembel.

Podemos ver como as mudanças na sociedade afetam o dia a dia das pessoas. Ao criar novas coisas como utensílios, meios de transporte, tipo de moradia, etc. as pessoas precisam se acostumar a usá-los, mudando a forma como vivem. Como disse K. Marx, “…o homem muda a natureza para melhorar sua vida, e ao mesmo tempo precisa agora se acostumar à realidade transformada.”

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas