Frente golpista
Afinal, se a única política “possível” é apoiar a direita, qual seria a necessidade da esquerda?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
joao-doria-e-rodrigo-maia
Rodrigo Maia (DEM) e Joao Doria (PSDB) | Governo do Estado de São Paulo

Após o resultado do julgamento do STF, que barrou a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), para a presidência da Câmara e do Senado, a disputa pelo controle das casas tomou uma nova configuração. Segundo a imprensa burguesa, o candidato do governo Bolsonaro à Câmara, Arthur Lira (PP), teria reunido 171 deputados num bloco com 9 partidos, contra o candidato do atual presidente da Câmara, do bloco que reuniu 159 parlamentares. Esta situação faz com que a burguesia pressione a esquerda sobre a ideia do “voto útil”, ou seja, apoiar o candidato golpista “menor pior”.

De acordo com a CNN, o candidato de Bolsonaro reuniu 9 partidos: PP, PL, PSD, SD, Avante, Patriota, Pros, PSC, PTB. Já o candidato de Maia, é fruto do bloco de 6 agremiações: DEM, PSL, MDB, PSDB, Cidadania, PV. Já o bloco indefinido possui partidos como PT, PSOL, PCdoB, PDT, REDE, NOVO, PODE e PRB, totalizando 183 parlamentares.

As eleições para a presidência da Câmara ocorrerão no dia 1º de fevereiro de 2021. O bloco dominante, liderado por Maia, busca manter o comando da Câmara, hoje presidida pelo DEM, junto com MDB e PSDB, setores fundamentais da direita golpista, que organizaram o golpe de 2016 e a fraude eleitoral de 2018.

Como ocorrido na recente fraude nas eleições municipais, a direita golpista utiliza a disputa com o bolsonarismo para chantagear setores da esquerda a apoiá-la. Foi assim que chegou-se na situação atual. Parlamentares da esquerda apoiaram o “general da Reforma da Previdência” (apelido de Bolsonaro a Maia), para a presidência da Câmara, bem como o reacionário senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) para a presidência do Senado.

Vários setores de esquerda, novamente, são atraídos para esta política suicida. É o que pode ser visto em publicação do deputado Rui Falcão, ex-presidente do PT, que disse em sua conta no twitter:

“Por uma candidatura de oposição para derrotar Bolsonaro na eleição da Mesa da Câmara! O PT não pode votar no candidato do Governo. Vacina para todos e todas. Impeachment já.”

A omissão sobre a candidatura do bloco golpista, do sucessor de Maia, bem como de uma candidatura do próprio PT, não é uma coincidência, mas sim uma política. Falcão está deixando o espaço aberto para apoiar o tal “candidato de oposição”, que se não é do bloco de Bolsonaro, nem da esquerda, será obviamente um candidato do bloco golpista!

Se o PT não pode de maneira nenhuma apoiar o candidato bolsonarista, menos ainda pode apoiar o candidato do bloco do setor fundamental da direita golpista, que derrubou Dilma, condenou, prender, cassou Lula e elegeu Bolsonaro.

Caso incorra novamente nesta política, a esquerda, sob o pretexto de que Bolsonaro seria um mal maior – que toda a direita e a burguesia que o elegeu – vai se tornando cada vez mais um apêndice da direita golpista e deixe de ser uma alternativa de luta para os trabalhadores.

Esta política tem o objetivo de conter a polarização política entre a esquerda e a extrema direita bolsonarista. Ao apoiar um dos blocos da direita, a esquerda acaba por se anular enquanto força política. Afinal, se a única política “possível” é apoiar a direita, qual seria a necessidade da esquerda?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas