Menu da Rede

Cuba Márcia Choueri

Eleições

O vice e o caráter combativo da candidatura Lula

A discussão sobre o caráter da chapa encabeçada pelo líder petista é a discussão sobre a força que terá o movimento

Lula – Foto: Ricardo Stuckert

A pressão para que a candidatura de Lula tenha como vice um elemento da burguesia já encontra ecos no interior do próprio Partido dos Trabalhadores. Em recente entrevista, o ex-governador da Bahia Jaques Wagner afirmou que “Lula vai buscar um nome empresarial para vice”. Trata-se, neste caso, muito mais de uma declaração de intenções do que propriamente uma previsão.

Não é segredo algum que Jaques Wagner faz parte da ala direita do PT. Isto é, daquele setor que não lutou contra o golpe, defendeu a candidatura de Ciro Gomes e apresenta abertamente a política de “frente ampla” como a salvação do País. Seu pupilo, Rui Costa (PT), governa a Bahia em boa convivência com o conjunto da oligarquia local.

O interesse de que Lula tenha um empresário como vice é parte do mesmo interesse. Para Jaques Wagner, uma chapa entre Lula e um empresário serviria como garantia da conciliação de classes: “Lula inevitavelmente vai buscar uma pessoa que seja complementar: como ele representa o social, vai buscar alguém que represente o empresarial”. No entanto, as coisas não são exatamente assim.

O empresário como vice não serve para “equilibrar” um eventual governo Lula. A burguesia não está interessada em chegar a um acordo com o movimento que acorda Lula. O motivo pelo qual a burguesia quer um empresário como vice não é somente para impedir que ela fique de fora do governo — o que está sequer no cálculo de Lula. O motivo é o mesmo pelo qual ela faz propaganda da frente ampla: o vice direitista desmoraliza a esquerda.

Um vice que venha da burguesia, em primeiro lugar, não serve para apoiar a candidatura. Em 2014, escolher Michel Temer como vice não serviu para que a burguesia apoiasse o PT: a burguesia claramente apoiou a candidatura de Aécio Neves. Assim como em 1989: o malabarismo de filiar José Paulo Bisol no PSB e lançá-lo como vice não fez com que a burguesia apoiasse Lula.

Lançar um vice direitista só serve para acalmar a burguesia. Para que os empresários se sintam seguros de que Lula não quer tomar nenhuma medida radical. O que não é vantagem alguma para os trabalhadores. Há outra coisa que tem de ser dita, Lula não pode ser tão moderado quanto a burguesia quer. Eles querem uma política externa servil aos EUA, uma política radical de arrocho fiscal e de controle de gastos, querem uma pilhagem dos direitos do povo. Lula não pode, nem com Belzebu como vice, entregar o que eles querem e sobreviver politicamente. O vice, portanto, traria

Se, ao contrário do que fez em todas as eleições — 1989, 2002, 2006, 2010 e 2014 —, Lula escolher como vice alguém da CUT, do MST, ou do movimento popular, o efeito que isso causa sobre seus apoiadores é completamente diferente. Lula não será bajulado na imprensa burguesa por isso. Pelo contrário: será ainda mais atacado. Mas quando escolhe alguém que é ligado a sua base, Lula está sinalizando que seu governo será radical. Os trabalhadores sentem que esse governo será o seu governo. Sentir-se-ão no direito de passar por cima da burguesia para conseguir o que quer e lutará até as últimas consequências por ele, por achar que é algo que valha à pena lutar.

Neste sentido, a escolha do vice é a escolha do programa. Porque o programa de um governo depende muito mais de sua força do que seus discursos. Se Lula entra pela força dos trabalhadores, sua base sentirá confiança para lutar por um programa bastante radical. Se o vice é um empresário, o movimento fica confuso, disperso. E, além disso, permite que abutres como Ciro Gomes ataquem a candidatura de Lula por causa dos vampiros que escolhe de vice. Mesmo Ciro Gomes sendo um coronel vigarista, não é difícil para ele criticar a política de alguém como Geraldo Alckmin (PSDB), um dos cotados para ser o vice de Lula, o que deixaria os apoiadores de Lula na defensiva.

Os trabalhadores não têm nada a ganhar com um vice da burguesia. Para que o movimento em torno da candidatura ganhe confiança e se prepare para a guerra que serão as eleições de 2022, é preciso uma chapa com cara de guerra. Uma chapa que represente os explorados, os que morreram na pandemia, os que estão passando fome, os que estão demitidos: aqueles que querem atirar a burguesia parasitária pela janela.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.