Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Antônio Carlos Silva

Sobre o Toninho

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Genocidas e golpistas

O trilionário negócio da vacina e o povo que se dane

Estabeleceu-se uma gigantesca corrida, uma verdadeira guerra de quadrilhas, em torno do registro de vacinas e da realização de uma operação para ludibriar o povo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Estimativas iniciais dão conta da necessidade da produção de cerca de 20 bilhões de doses de vacina nos próximos dois anos, para que toda a população mundial possa ser imunizada dos ataques do Coronavírus.

Os cálculos também apontam que o custo médio de cada dose de vacina a ser aplicada seria da ordem de R$ 150, sendo necessário aplicar duas doses em cada pessoa. Assim, somente a comercialização da vacina envolveria recursos da ordem de mais de R$ 2.000.0000.000.000,00 (dois trilhões!!!).

A esse lucrativo “negócio”, se somam  transporte, armazenamento, publicidade, corrupção de políticos e funcionários responsáveis por todas essas etapas e outros negócios correlatos.

Não por acaso, a venal imprensa capitalista, contratada e paga pelos poderosos monopólios farmacêuticos e pelos Estados  imperialistas que defendem seus interesses, se dedicam a uma intensa campanha publicitária em favor dessa ou daquela vacina, enquanto, evidentemente, oculta outras, como é visível no caso da vacina russa, a Sputinik V, que começou a ser custo vacinasaplicada no último dia 5, segundo anúncio do governo Putin, ou ainda no caso da vacina CoronaVac que a China começou a distribuir mundialmente.

Não por acaso, a vacina mais divulgada, com maior campanha publicitária a favor de sua compra pelo Estado é justamente a mais cara, cerca de U$ 40 cada dose, fabricada pela gigante Pfizer (EUA) em parceria com a Biontech (Alemanha).

Para os tubarões capitalistas, trata-se de um dos negócios mais lucrativos desse século: faturar em cima da doença e da morte do povo em um momento em que o capitalismo vive uma crise histórica de superprodução.

Além do ganho econômico, os governos direitistas buscam tirar proveito da tragédia, politicamente. Encenam uma disputa em torno de questões como “calendários” de vacinação, obrigatoriedade ou não da vacina etc., para ocultar que não estão fazendo absolutamente nada para evitar as mortes que disparam no Brasil e em todo o mundo. 

Na chamada segunda onda, entre agosto e começo de dezembro, mais de 152 mil vidas foram tiradas pela covid-19 nos 27 países da União Europeia. Esse total representa 12% a mais do que as 136 mil mortes na primeira onda (de 1º de março a 31 de julho), segundo divulgou o jornal El País, com base nos dados estatísticos do Centro Europeu para a Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) e da Universidade Johns Hopkins.

Os EUA, maior potência capitalista, registraram mais de 3 mil mortes por covid-19 e 220 mil novas infecções em 24 horas, nos últimos dias, e se aproximam da marca de 300 mil mortos. No Brasil, mal acabaram as eleições, há uma disparada de casos e mortes que deve nos levar a mais de 200 mil mortos até o começo de 2021.

Repete-se aqui o que se viu desde o início da pandemia: o bloco dominante na burguesia brasileira, agrupado em torno do PSDB, DEM, MDB, PSD, Globo, Folha etc., que tem – nesse momento – como candidato prioritário o tucano João Doria, soube tirar proveito das posições fascistas de Bolsonaro, junto a todo restante da população, valendo-se da inércia da maioria da esquerda, que procurou apresentar a disputa entre esses dois setores como se fosse a guerra entre “bem” e o “mal”, quando o que tivemos ao longo de toda a pandemia foi uma atuação genocida sincronizada e, agora, uma grande disputa de verdadeiras máfias, na qual o que menos importa é a situação da população.

Contudo, a disputa está muito longe de terminar.

A burguesia golpista está jogando com a cartada de se apresentar como “salvadora da pátria”, em torno do fato de “ter” a vacina, mas o que temos não é mais do que outra fraude contra o povo. Doria, por exemplo, anunciou que a vacinação no Estado de São Paulo começará no dia 25 de janeiro, sem dar ênfase – é claro – ao fato que a imensa maioria da população (mais de 80%) não terá nenhum acesso à vacina antes de abril de 2021.

Em contrapartida, o governo bolsonarista, por meio do Ministério da Saúde, declarou que a vacina poderá ser distribuída ainda em dezembro, caso a mesma esteja já adequada para uso, sem também apresentar qualquer plano real sobre o assunto e quando nenhuma vacina foi ainda autorizada para ser aplicada no Brasil.

A esquerda burguesa e pequeno burguesa ficaram desnorteadas, desde o primeiro momento, diante da iniciativa da direita golpista. Em vez de ter uma política independente, passaram a defender os governadores “científicos”, como Dória. Ao invés de denunciarem a politica genocida de toda a direita (Bolsonaro, Doria, Maia etc.) buscaram uma aliança com setores golpistas na frente ampla e defenderam o “mal menor” nas eleições, mostram-se dispostas a fazerem o mesmo nas disputas no Congresso Nacional, e assim por diante.

É preciso criticar a política de contenção do Doria e Cia., as negociatas em torno da vacina e exigir imediato atendimento à população, testes etc., e que as vacinas sejam colocadas à disposição de toda a população, sem qualquer critério econômico, inclusive, com a devida quebra da patente para fabricação das mesmas no Brasil, sem qualquer subvenção aos abutres dos grandes monopólios da morte.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.