“Há um ponto cego no VAR!”
Um dos graves “problemas” do Var é a decisão sobre o que são lances capitais em um jogo de futebol dignos de serem ou não revisados. Isso, quando o VAR quiser ver.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mm (1)
Programa humorístico ridiculariza o VAR. O VAR é cego! | Foto: Reprodução

No último domingo pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro de Futebol, o Palmeiras recebeu em sua casa, o Allianz Parque (Ex Parque Antártica), o Red Bull Bragantino, único clube Empresa a participar do Brasileirão 2020. O Palmeiras em 6° lugar no campeonato precisava da vitória para no mínimo manter a distância de 9 pontos para o líder da competição, o SPFC, podendo ainda sonhar com o título da competição que a cada rodada fica mais distante frente ao excelente desempenho da equipe tricolor comandada por Fernando Diniz; assim como não deixar que o batalhão a sua frente abrisse vantagem na disputa das 4 primeiras vagas que dão o direito à disputa da Libertadores da América em 2021.

Já o Red Bull Bragantino, precisava de um resultado positivo para se afastar dos últimos colocados, no momento está apenas 3 pontos à frente do Vasco da Gama, 17° colocado e dentro da zona de rebaixamento.

A partida teve um amplo domínio de posse de bola e de chances de gol a favor do RB Bragantino, ao final da partida o Bragantino teve 63% de posse de bola contra 37% do Palmeiras, que provavelmente realizou a sua pior partida do campeonato, não merecendo sequer o empate no confronto, tamanha a superioridade do time de Bragança.

No entanto, o Palmeiras chegou a vitória após gol irregular de Luis Adriano que recebeu cruzamento de Gabriel Menino que se encontrava em impedimento. No momento do gol do Palmeiras o VAR foi acionado para verificação se havia ou não impedimento de Luis Adriano, o mesmo no momento do cruzamento de Gabriel Menino, se encontrava em condições de jogo, pleno para poder marcar o gol palmeirense. Mas o equipamento eletrônico, computadorizado, baseado na última tecnologia para impor a ética ao jogo, falhou, assim como os árbitros, seres humanos podem ser passíveis de erro. Mas, o VAR não é humano foi colocado em campo, supostamente para impedir os erros humanos e para servir a FIFA, a CBF e outras confederações mundo afora, tornando o jogo livre de qualquer erro em que pudesse ser colocado qualquer possibilidade de corrupção dos árbitros, Certo?

Errado. Ao longo dos últimos meses é exatamente o contrário, que torcedores, atletas, treinadores e todos aqueles que amam o futebol estão vendo. São centenas, talvez milhares os “erros” absurdos produzidos pela tecnologia e pelos cinco assessores das salinhas de ar condicionado.

E no Brasil já são dezenas de vozes de importantes personalidades do jogo que já se levantaram contra o instrumento. E a última revolta da vez é do RB Bragantino

O Red Bull Bragantino, a partir da verificação de sua equipe de análise de desempenho percebeu o erro e apontou diretamente à CBF uma irregularidade no gol do Palmeiras no jogo do último domingo. A direção do clube após sua reclamação formal sobre o lance, ouviu da entidade, através do chefe de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, pasmen, que há um ponto cego no VAR que impediu a verificação da posição de Gabriel Menino, autor do cruzamento para o gol de Luiz Adriano. Para sair pela tangente a CBF informou que não pôde realizar a verificação, mas isso não significa que houve a comprovação do impedimento. No entanto, em imagens fotográficas da imprensa é possível ver que o jogador palmeirense s encontra va impedido no momento em que recebeu o passe.

A única razão para a existência de um assistente de vídeo seria enxergar aquilo que o olho humano não consegue ver. Quando o protocolo, por qualquer motivo, detecta um equívoco e admite nada poder fazer, ou melhor que não enxerga todos os lances, então há um problema sério, não foi feito para a ética. Como há tempos já denunciamos, o VAR foi feito para impor interesses escusos, foi feito para impor ações alheias até mesmo ao regulamento, foi feito para a “politicagem” no esporte.

A resposta da CBF é digna dos melhores programas humorísticos da história do Brasil, “há um ponto cego no VAR!”. Dessa vez o Palmeiras foi beneficiado pelo VAR, ou melhor, pela cegueira de todo o VAR.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas