Petrobras será fatiada
Desmonte da Petrobras mostra o nível de submissão do governo Bolsonaro ao capital estrangeiro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
6ebdea51d0aa92ea6649532f8c58ef80_L(1)
PRIVATIZAÇÃO: Tudo doravante ocorrerá às pressas e sem a necessária autorização legislativa | "Foto: Reprodução".

Um ataque sem precedentes do STF afronta população ao permitir privatização selvagem e reforça necessidade de uma grande mobilização no aniversário da Petrobras. As perdas serão imensas para o país, o preço do barril de petróleo subirá de US$ 48 para US$ 65 (aumento de 35,4%).

Também os custos da matéria prima mais refino provocarão aumento de 73,1% no custo da produção dos combustíveis. De fato, o tamanho do roubo com a privatização das refinarias da Petrobras ainda deve ser computado mas, algumas perdas já podem ser apontadas como o preço justo do gás de cozinha, que é de R$51,77 para o consumidor final. Se privatizar, valor nunca vai baixar, municípios perderiam milhões de arrecadação de royalties ao mês.

A entrega da Petrobras, no Rio, manchará os 67 anos de criação da Petrobras que se completam neste sábado.

A privatização anda a passos largos. Ao rejeitar nesta quinta-feira, 01/10, o pedido de liminar das Mesas Diretoras do Senado e da Câmara dos Deputados para que suspendesse as vendas das refinarias da Petrobras, o Supremo Tribunal Federal (STF) mais uma vez coloca os interesses do mercado acima dos interesses nacionais. Além disso, a decisão afronta o próprio Congresso Nacional, acentuando o caos institucional que toma conta do país desde o golpe de 2016.

Tudo doravante ocorrerá às pressas e sem a necessária autorização legislativa. Por seis votos a quatro, o Plenário do STF negou a medida cautelar ingressada pelas lideranças parlamentares através da Reclamação 42576.

Mesmo após o questionamento do desvio de finalidade cometido pela gestão da Petrobras ao transformar refinarias em subsidiárias para privatizá-las, sem autorização legislativa a coisa seguiu passando a boiada. Os ministros atropelaram as prerrogativas do Congresso, enfraquecendo ainda mais o debate público em torno de uma questão tão estratégica para a soberania nacional.

A Petrobras fatiada. A decisão, apesar de ser em caráter liminar, já que o mérito da Reclamação ainda será julgado pelo STF, permite que o governo esquarteje não só a Petrobras como outras estatais, criando subsidiárias para vender o patrimônio público, à revelia do Poder Legislativo. “A resistência contra o desmonte do Estado está, como sempre, nas mãos da classe trabalhadora e da sociedade civil organizada.

A greve dos petroleiros em fevereiro foi decisiva ao denunciar o desmonte do Sistema Petrobras, pautando a sociedade e o próprio Congresso Nacional”, afirma o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar. Contudo a medida não foi suficiente. Os trabalhadores e a população deverão ganhar as ruas contra o centro irradiador do desmonte da Petrobras: o Estado fascista que se afirma. Assim, só nos resta a derrubada do governo de golpistas e entreguistas: o FORA BOLSONARO!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas