Começa a campanha eleitoral
O candidato do PSOL, líder do MTST, acredita mesmo que será eleito. Por quê?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Líder do MTST, Boulos sonha com uma vaga no edifício Matarazzo
É possível derrotar o fascismo por meio da conquista de uma prefeitura? Há quem acredite que sim... | Divulgação/Redes Sociais

Começaram, no final de semana retrasado, os “50 dias mais importantes” da vida de Guilherme Boulos. Foi o que ele disse no Facebook, naturalmente, referindo-se ao início oficial da campanha eleitoral. Seu mini-discurso foi, na minha humilde opinião, uma das coisas mais demagógicas, oportunistas e cafonas que um político que se diz socialista poderia dizer. 

É curioso notar, em primeiro lugar, que, segundo ele, essa campanha eleitoral é a coisa mais importante de sua vida. Depois de tudo o que ocorreu durante os quase 3 mil dias que hoje nos separam do início do golpe de Estado (o começo do julgamento do “Mensalão” no STF, em agosto de 2012); da condenação completamente arbitrária de dirigentes do PT e de seus governos; do impeachment fraudulento de Dilma Rousseff; do governo ilegítimo de Temer que impôs enormes ataques aos trabalhadores de todo o País; e, finalmente, do processo criminoso e da prisão absolutamente ilegal do ex-presidente Lula, parte fundamental da fraude eleitoral que levou Bolsonaro ao poder para completar e expandir a obra de destruição do País iniciada pelos golpistas. 

A campanha eleitoral de Guilherme Boulos será, portanto, mais importante que as inúmeras lutas, protestos e enfrentamentos nos quais ele – se fosse possível acreditar em suas palavras – foi um dos grandes “mobilizadores”, uma liderança. Mais: é a coisa mais importante dos quase 14 mil dias de todos os seus 38 anos de vida. É uma eleição e tanto! Mas também é uma emoção que parece um pouco desproporcional para quem, dois anos atrás, concorreu à Presidência. Por quê? Ora, a explicação é simples. Essa campanha eleitoral é mais importante que a de 2018, em que estava colocado “derrotar o fascismo” nas urnas, porque ele acha que vai ganhar. Todo o resto é secundário.

Decorre disso que um desses momentosos 50 dias terá uma importância particular, será especial, será o dia mais importante dos 50 dias mais importantes da sua vida: o 15 de novembro, dia da proclamação de Boulos, prefeito de São Paulo. Será, segundo disse, “o grito dos invisíveis, de quem está abandonado (…)  sem vez nem voz”. O grito dos que não tem voz. Estou sem palavras.

Mas como o candidato do PSOL vai conseguir a proeza de fazer os afônicos gritarem? Ora, com o auxílio de sua companheira de chapa, a ex-prefeita octogenária Luiza Erundina. Ele disse ter resgatado “a mulher mais inspiradora da política brasileira”. Notem: mais inspiradora que a comunista Olga Benário Prestes, torturada e entregue aos nazistas por Getúlio Vargas, apenas para citar uma de uma longa lista de abolicionistas, feministas, militantes operárias etc.

Com toda essa seda rasgada para a ex-prefeita, ele também resgatou seu “legado de participação popular e inversão de prioridades”. A mim ocorre apenas uma inversão de prioridades no governo Erundina. Dezenas de milhares de condutores da CMTC, cuja prioridade era a defesa de seus salários na greve de 1992, foram esmagados pela prefeitura de Erundina, que quebrou sua mobilização com a contratação de fura-greves. Essa inversão de prioridades abriu o caminho para a privatização da companhia de ônibus pelo governo Maluf, no mandato seguinte.

A abertura desta época de ouro da vida do candidato do PSOL é feita com uma anunciação. Segundo ele, sua eleição representa “a possibilidade de começar a despertar do pesadelo bolsonarista, cheio de ódio e retrocessos”. 

É, ainda (e principalmente), “a recuperação do nosso direito de sonhar. Não só em São Paulo. A partir daqui, vamos mostrar que é possível voltar a fazer política com esperança, com encanto e brilho nos olhos. Vamos virar esse jogo!”

Ou seja, seu assento no Edifício Matarazzo será o ponto de partida para libertar o país da ditadura de Bolsonaro. Não sou bidu, mas a eleição de Boulos não parece se encaixar na sequência de acontecimentos que nos trouxeram à virtual ditadura existente no País. Tudo indica que as urnas vão revelar um resultado sob medida para a manutenção do regime imposto pelo golpe de 2016. Mas Boulos pensa diferente, ele tem um sonho e acha que esta é a hora de sonhá-lo. Acha, na realidade, que é a hora dos eleitores sonharem com ele.

Sejamos realistas: o governo golpista não será derrubado e o fascismo não será derrotado por um prefeito. Não é um sonho que se possa colocar em prática. Mas quem sou eu para impedir Boulos de realizar o sonho da prefeitura própria?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas