Fracasso do imperialismo
Por isso, contra a tentativa de amenizar a desgraça capitalista é preciso opor a reivindicação de salário mínimo vital
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
salário mínimo
Carteira de trabalho e salário mínimo | Foto: reprodução

O auxílio emergencial mostrou a necessidade de intervenção estatal para enfrentar a crise da economia no País e amenizar os ânimos de uma iminente convulsão social. Pode-se imaginar o que teria ocorrido se as dezenas de milhões de desempregados fariam ao ficarem desamparados pela falta de renda e de auxílio estatal. Talvez os sistemáticos saques aos supermercados, ocorridos na Itália, parecerem apenas brincadeira diante do levante no Brasil, um país atrasado, logo, com uma situação ainda mais explosiva.

Se o auxílio emergencial de 600,00 foi uma válvula de escape para a burguesia e os golpistas amenizarem a luta de classes no país e o movimento da luta pela derrubada do governo Bolsonaro. Também acabou por apontar que a distribuição de renda, ainda que muito minoritária, como o insuficiente valor do auxílio, tem um impacto na economia que mostra como seria distribuir verdadeiramente as riquezas do País entre aqueles que a produzem: os trabalhadores.

Em matéria do jornal burguês Gazeta do Povo mostra o impacto que o auxílio emergencial teve na economia:

“…graças aos benefícios, a massa ampliada de rendimento da população chegou a crescer no segundo trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior. Essa tendência deve se repetir no terceiro trimestre, pela manutenção do benefício.”

(Luana Miranda, do Ibre, para a Gazeta do Povo)

Na matéria, Miranda explica que sobretudo no segundo trimestre, houve uma resposta positiva de alguns setores, como o consumo de bens “impactado diretamente pelo aumento da renda do brasileiro”. Ela cita que o consumo é responsável por, 65% do PIB em média.

É desta forma que irei destacar um aspecto importante da tese do PCO sobre o movimento sindical. Uma reivindicação que revela de forma ainda mais acabada a falência do capitalismo: o salário mínimo vital, que hoje deveria ser em torno de 5 mil reais.

Se o auxílio emergencial de 600,00 serviu para amenizar a falência da economia brasileira sob a política dos golpistas, o que ocorreria se o governo fosse obrigado a pagar um salário mínimo de 5 mil reais?

Como outras pesquisas mostraram, a maioria dos milhões de brasileiros que receberam o auxílio, gastaram em alimentação e itens de primeira necessidade. Portanto, se tivessem recebido, ao invés de 600,00, 5.000,00, teriam também movimentado outros setores do comércio e da indústria.

Logo, todo o comércio e a indústria teriam mais consumidores, com maior poder de compra e aumentariam exponencialmente a demanda por atuais e novas mercadorias.

Do ponto de vista do desenvolvimento capitalista, seria o cenário que os liberais de séculos atrás enxergavam como virtude da economia capitalista. Consumo, concorrência…

No entanto, essas virtudes do capitalismo não passam de resquícios antigos da história e propaganda ideológica da direita. Como a tese do partido sobre os sindicatos explica:

“Do ponto de vista da disciplina econômica imposta pela burguesia e pelo Estado capitalista, a economia política do regime burguês para a classe operária apoia-se sobre quatro pilares:

1) congelamento salarial, onde apenas se repõe abaixíssima inflação e, nas categorias mais organizadas e commaior poder de reação, abonos e a fraudulenta Participação nosLucros e Resultados (PLR), cujo objetivo é evitar ocrescimento real da folha de pagamento e dos custos daempresas, que obtêm desta forma um enorme lucro excedente àscustas dos salários, das rescisões contratuais, da previdênciae do FGTS;

2) a intensificação como nunca antes darotatividade no emprego e das demissões em massa, garantidanas categorias mais organizadas através dos criminosos Planosde Demissão Voluntária, dando aos grandes capitalistas e aos capitalistas em geral um enorme controle da mão-de-obra em períodos de crise como este;

3) a quebra gradual das conquistas históricas da classe operária, conhecida como“flexibilização trabalhista” e que se materializa na política de “reforma trabalhista”, barateando ainda mais a força de trabalho e aumentando os lucros, tais como os contratos temporários, terceirização, banco de horas etc.;

4) a lei antigreve, que limita, com a ajuda da burocracia, a reação operária. É este regime econômico para a classe operária, comuma versão “democrática” desta política para os setores mais concentrados da classe operária, que permite manter a massa de quase 15 milhões de desempregados, o achatamento salarial, a insegurança no trabalho e a diminuição crescente da qualidade de vida da classe operária. Sem isso, não seria possível manter a estabilidade da moeda, a estabilidade do orçamento público federal, dos estados e municípios, o superávit primário, o endividamento estatal e a carga impositiva de quase 40%, que são os pilares da política econômica do governo. Esta situação, estabelecida no governo de FHC, mudou muito pouco nos três governos do PT.”

Logo, com o valor do salário mínimo atual (R$1045,00) o trabalhador passa fome e tem que arranjar outras formas de renda para sobreviver, num nível de superexploração do trabalho, para manter um regime que cai aos pedaços, como vimos nas crises de 2008 e de 2020.

Tendo isto em conta, também é importante lembrar o que disse maior líder que a classe operária mundial produziu:

“(…) quanto mais o trabalhador produz, menos tem para consumir; (…) quanto mais valores cria, mais sem-valor e indigno ele se torna; quanto mais bem formado o seu produto, tanto mais deformado ele fica; quanto mais civilizado seu objeto, mais bárbaro o trabalhador; (…) quanto mais poderoso o trabalho, mais impotente o trabalhador se torna; quanto mais rico de espírito o trabalho, mais pobre de espírito e servo da natureza se torna o trabalhador”

(MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos)

Voltando ao salário mínimo vital, tendo essas citações me conta, ele se explica claramente do ponto de vista da economia, no entanto, ele é inviável por uma questão política. Uma vez que ao conquistar um nível de distribuição de renda como esse, os trabalhadores teriam clareza do próximo passo a ser implementado, tomar os meios de produção e avançar para uma derrota definitiva da burguesia. Por isso, contra a tentativa de amenizar a desgraça capitalista é preciso opor a reivindicação de salário mínimo vital.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Whatsapp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Relacionadas