Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Futebol moderno

O racismo no futebol, de Andrade a Torrent

Na marra, estão empurrando o futebol europeu contra o futebol brasileiro, fábrica mundial de produção de craques, e, claro, de técnicos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Aproveitando a oportunidade de mais esta coluna, gostaria de redigir este pequeno protesto em relação a um determinado acontecimento do futebol.

Falo do tratamento da imprensa dado a Domènec Torrent, o técnico do meu Flamengo, que até o momento não mostrou a que veio.

A diretoria do Flamengo, após a polêmica saída do técnico português, Jorge Jesus, foi para a Europa em busca de um novo treinador para o time. Essa busca internacional gerou protestos de outros técnicos no Brasil, que acreditavam ter, aqui mesmo, técnicos de ótima qualidade para tocar o Flamengo, no que estão corretos. 

Protestos, também, de torcedores, que não podem influenciar nem um pouco nas decisões das diretorias dos clubes, por isso a aberração Torrent. Também por isso a necessidade de fortalecer as torcidas organizadas, mas isso fica para outra coluna.

Enfim, trouxeram o ilustre desconhecido Domènec Torrent, auxiliar do famoso Pepe Guardiola, conhecido amante do futebol brasileiro. Até aqui, apesar das loucuradas dos cartolas flamenguistas, não tem muita novidade.

O que chama atenção mesmo é o tratamento mimado que a imprensa concede à Torrent, mesmo diante da constante falta de resultados positivos. Chegaram ao ponto de falar que a última vitória do Flamengo, um magro 1 x 0 contra um Santos que teve dois gols anulados, foi a “marca das digitais do novo treinador Torrent”, quando este vem, jogo após jogo, sofrendo muito para conseguir empates, contra qualquer time que seja.

Falam que o futebol europeu não se adequa aos jogos brasileiros, como se aqui fosse uma porcaria de futebol, uma selva, na verdade. Como se todos os clubes brasileiros fossem uma porcaria e que temos, rapidamente, que aceitar o chuveirinho, o futebol-força, as cadeiras numeradas europeias, o “barção”, a “champions league” e outros campeonatos fraquíssimos.

Quem, em sã consciência, acredita mesmo, seriamente, que estes times europeus aguentam, por exemplo, uma boa Série B do Brasileirão? Não fica um. Eu acho que o Real Madrid, por exemplo, fica uns bons 20 anos na série B, isso se não cair.

Se brasileiro fosse, ele, Torrent, já teria caído, já teria sido massacrado pela imprensa. Capaz que já estivesse em algum programa televisivo, pedindo dinheiro, chorando, ou dizendo que abriu uma academia. Teria sido um brasileiro na suplência de um português já apontado como “genial” pela imprensa, quando o máximo que fez foi aproveitar um elenco realmente bom que o Flamengo possuía e possui. 

Eu falo sempre, no programa Na Zona do Agrião, do Andrade, o “Tromba”, atleta negro. Prata da casa, campeão

andr
Andrade, campeão mundial pelo Flamengo, em 1981.

mundial em 1981, campeão brasileiro, como técnico do Flamengo, em 2009, com um elenco bem complicado. Campeão… e demitido em seguida, tendo sido registrado vídeos de seu sofrimento, e ele mesmo dizendo que se tratava de racismo o que estava acontecendo com ele. 

Com o europeu, não. Toda a paciência do mundo deve ser concedida. Todo o fino trato, os elogios, as matérias compradas, as facilidades legais e supralegais, enfim, tudo de bom para que ele não seja equiparado aos brasileiros, esses sim, merecedores de toda humilhação, rebaixamento, críticas e desgraças.

Na marra, estão empurrando o futebol europeu contra o brasileiro. Os estádios vazios estão colaborando. O VAR, o agora criticado VAR, também. O futebol S/A, o código de conduta contra os jogadores, enfim, tudo que facilite a vida dos grandes empresários e capitalistas do futebol. Os grandes, que eu digo, são os europeus, estadunidenses, lógico, não os “macaquitos”. 

Chegaria, por força de conclusão do texto, no caso Neymar Jr., poeta do futebol. Mas o racismo contra o melhor jogador do mundo da atualidade fica para a próxima coluna futebolística.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.