O que vi nos últimos momentos de Lula antes de ser levado para Curitiba

30624187_1835970996703324_1492444752288038317_n

Estava indo para São Bernardo, o clima da manifestação dos dias anteriores havia mudado. Lula resolveu se entregar, mas na hora de sair do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo para ir para a Polícia Federal o povo não deixou.

Quando cheguei no sindicato, no meio de uma assembleia, um clima de confusão estava instaurado, um militante, aflito, subiu no caminhão de som pela cabine, onde estava a direção de diversos movimentos, queria falar alguma coisa, mas não deixaram. Estava tudo muito confuso, muito barulho, todos muito agitados era difícil entender o que estava acontecendo.

Luiz Marinho, sindicalista e pré-candidato do PT a governador, estava chamando uma votação, tentava convencer os militantes e trabalhadores a deixar Lula se entregar. Mas antes mesmo de concluir começou uma correria para o estacionamento do sindicato, uma ala direita tinha feito um cordão, aproveitando a distração dos demais, para permitir que a Polícia Federal levasse Lula. Apesar da correria e desespero dos que não queriam que a PF levasse Lula, era tarde demais. Começou a briga entre os que estavam no local, a ala que queria resistir foi para cima dos outros, alguns murros e empurra-empurra, mas nada grave.

Luiz Marinho, experiente  sindicalista (se não me engano da Volkswagen) encerrou a votação e pulou do caminhão com uma habilidade de causar inveja a atletas, e sumiu antes que a massa enfurecida dos que foram enganados pudesse alcançá-lo. A confusão também se encerrou, era preciso ir atrás de Lula e da Polícia Federal, que no meio daquela confusão já se distanciava do sindicato.

Uma verdadeira perseguição teve início. As pessoas saíram correndo para pegar seus carros atrás de Lula, quem já estava em São Paulo foi para o Aeroporto de Congonhas, paradeiro certo da PF para levar Lula para Curitiba. Mas foi nesse momento que entra a imprensa golpista, diversos jornais relatavam que o comboio que estava levando Lula estava indo para o Aeroporto, era mentira, estavam indo para a sede da Polícia Federal em São Paulo. Tomamos a decisão de ir para o Aeroporto, já que pelas informações que obtivemos Lula iria chegar de Helicóptero, o que realmente aconteceu.

Esse foi o último momento de toda a epopeia, a revolta era geral. A Av. Washington Luiz foi ocupada em uma de suas faixas, a raiva das pessoas era grande, um cartaz foi hasteado (Não deixar condenar, Não deixar prender). Como sempre a polícia usou de truculência para afastar quem se manifestava. Apoiadores covardes de Bolsonaro, que tinham sido expulsos, se escondiam atrás da polícia para ofender os que estavam na defesa de Lula. As pessoas tentaram até o último momento impedir a viagem, mas não foi possível.

Esse é o relato até a saída de Lula de São Paulo, lá em Curitiba, nas masmorras de Polícia Federal, já é outra história.