Como combater fascistas
A União dos Fascistas Britânicos prometia ato de 100 mil. Era a antessala do assalto ao poder. 300 mil trabalhadores se anteciparam. Fascistas debandaram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Oswald-Mosley-rally-London
“Oswald Mosley, (o Bolsonaro Londrino) não passará. Barrar o caminho para o fascismo britânico.” | Foto REPRODUÇÃO. Britannica: Oswald-Mosley-rally-London

Era 1936, 4 de Outubro.

A União dos Fascistas Britânicos, prometia ocupar a praça em ato para 100 mil.

O colossal ato, frente ao parlamento britânico, seria a antessala para a entrada triunfal dos fascistas no assalto ao poder.

A experiência fracassada da (falta de) reação dos trabalhadores na Itália da década de 1930, em acreditar nas palavras de ordem dos próceres locais – que instavam todos para terem a “coragem de serem covardes”, ante o fascismo – fez com que a ditadura fascista de Mussolini alijasse não só as organizações operárias, mas também os partidos de esquerda.

A experiência mais recente de Hitler, na Alemanha, em que trabalhadores e esquerda foram colocados na clandestinidade – e, pior, em campos de concentração, para onde foram enviados, ou mortos. Trabalhadores e partidos da esquerda resolveram que, em Londres, era hora de agir.

 Frente com as organizações de lutas

O governo de Londres, não só não proibira a manifestação, como designara 10.000 policiais para dar cobertura e garantia ao ato fascista.

Trabalhadores não levaram em conta as recomendações do Partido Trabalhista, para que “ficassem em casa”, e “deixassem para a polícia” reprimir os fascistas. Saíram às ruas. Mais de 100 reuniões preparatórias em Londres, milhares de cartazes afixados nas ruas, centenas de milhares de panfletos distribuídos. O Partido Comunista da Grã-bretanha, o CPGB atendeu ao chamado de Trótski para a unidade contra os fascistas. Convocaram os conselhos e as células do Partido Trabalhista para também participarem do ato. Milhares saíram às ruas para barrar a marcha fascista.

No Gardener’s Corner os trabalhos começariam a bloquear a marcha fascista. Pontos de socorro, materiais para barricadas, rígida disciplina dos trabalhadores diante dos fascistas. Logo pela manhã de 4 de outubro, 300 mil pessoas bloqueavam o caminho dos fascistas. Estavam ali o Partido Comunista da grã-Bretanha, o CPGB, o Partido Trabalhista Independente e membros trotskitas da Liga Comunista Jovem. E principalmente, toda a classe operária inglesa.

Postados 10 mil policiais, quatro mil montados a cavalo. Protegidos, sete mil fascistas vindos de diversas regiões. A polícia tentou desbloquear as ruas, limpar o terreno para a marcha. Deparou-se no cruzamento da Road Commercial com a Leman Street, com um bonde deixado em barricada pelos condutores britânicos. Mais adiante, outros. Impotente, a polícia tentou outro local. Deparou-se com uma multidão.

Incapaz de limpar a rua para a manifestação, a polícia tentou descer a Cable Street como uma rota alternativa para a manifestação. Os trabalhadores, no entanto, tinham-se antecipado a isso e estavam prontos. Quando a polícia começou a descer a rua, deparou-se com barricadas que estavam instaladas com um caminhão e pedaços de móveis antigos. A polícia foi recebida com garrafadas, pedradas, objetos atirados das janelas. Policiais cercados pela multidão de trabalhadores. Aquilo nunca tinha acontecido antes. Policiais não sabiam o que fazer.

Os fascistas, em reduzido número, se abrigavam por detrás dos policiais. Na chegada do chefe fascista Mosley, um tijolo foi arremessado em direção ao seu carro.

O chefe do policiamento, desaconselhou Mosley. Seria uma carnificina. O chefe fascista, em breve voz de comando, orientou a dispersão.

Fascistas em debandada. Trabalhadores em disparada atrás dos fascistas. Feito!

‘‘A derrota de Cable Street em 1936 foi um duro golpe. Com medo do poder organizado da classe trabalhadora demonstrado, o movimento fascista declinou. A vitória sobre os fascistas imbuiu a classe operária de confiança. Essa ação unitária dos trabalhadores na Cable Street demonstrou a lição: apenas uma vigorosa reação impede o crescimento da ameaça fascista.’’ (Ted Grant, A Ameaça do Fascismo).

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas