Uma “frente” contra os negros
Aliança com os setores que organizaram o golpe de estado é uma política de derrota contra os negros. É preciso uma mobilização independente: Fora Bolsonaro e todos os golpistas!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rodrigo-maia
Contra o "mal maior", direita tradicional é apresentada como aliada dos negros | Foto: Evaristo SA/AFP

Na última semana se concretizou a política de “frente ampla” para a eleição da presidência da Câmara dos Deputados. Esta política é uma exigência, e porquê não, uma chantagem promovida já há muito tempo pela direita golpista tradicional, o chamado “centrão”, contra a esquerda, em especial contra o Partido dos Trabalhadores.

O centro desta manobra é apresentar o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro, de extrema-direita, como sendo o mal maior, e os “pais” de Bolsonaro, ou seja, o bloco político que organizou e levou adiante o golpe de estado, como sendo o “mal” menor, ou até mesmo o setor “civilizado”, “progressista” da direita brasileira. Com este tipo de chantagem, os setores fundamentais do bloco golpista (DEM, PSDB, PDT, PMDB, etc) exigem o apoio da esquerda para uma suposta derrota do bolsonarismo.

Foi o que ocorreu na escolha dos candidatos para a eleição da Câmara. Contra o candidato bolsonarista, a esquerda decidiu ceder apoio ao a direita tradicional. Estabeleceu-se um bloco político amplo com 11 partidos, dentre estes os maiores responsáveis, como dissemos antes, pelo golpe de estado, e as “reformas” que acabaram com os direitos dos trabalhadores, como a trabalhista e a previdenciária.

A imprensa golpista, é claro, celebrou a aliança como uma grande vitória. O argumento político utilizado para justificar o apoio a estes verdadeiros bandidos do povo brasileiro não poderia ser mais falso. Bolsonaro e seu candidato seriam os representantes do autoritarismo, da ameaça à democracia e da violência contra os direitos das “minorias”, como os negros, LGBTs, mulheres, etc. Já a “frente” integraria os defensores da “liberdade”, da “democracia”, do “respeito” às diferenças. Um escárnio total contra a população.

Este, no entanto, é o único objetivo da “frente ampla”: fantasiar os piores inimigos do povo, responsáveis direitos pelos golpes de estado, a ditadura militar, como é o caso do DEM, pela matança generalizada dos negros nas periferias, como é o caso do PSDB e outros partidos tradicionais da direita em “aliados”, amigos dos trabalhadores, dos negros, das mulheres.

É preciso denunciar esta política e afirmar o óbvio, longe de ser uma vitória, a “frente ampla” é uma política de derrota para os negros e todos os setores explorados. A unidade com os golpistas tradicionais não irá progredir um milímetro sequer a luta dos negros contra a desigualdade social e a opressão. Pelo contrário, reforça-se ainda mais o bloco dominante que sempre esteve a frente das maiores atrocidades contra a população e, com apoio da esquerda, tal bloco tem o respaldo necessário para continuar seus ataques a todo o povo.

A única maneira de progredir na luta em defesa dos negros e dos demais setores explorados é por meio de uma mobilização independente contra toda a direita golpista. A frente necessária é a frente única dos trabalhadores, dos negros, das mulheres e das organizações de esquerda e populares contra o golpe de estado. É preciso impulsionar nas ruas o “Fora Bolsonaro e todos os golpistas” e levantar um programa democrático que atenda todas as reivindicações da classe trabalhadora.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas