O que os Bolsonaristas estavam fazendo no show de Roger Waters?

waters neofascismo

O dia de hoje foi recheado de notícias sobre o show do ex Pink Floyd Roger Waters, um ícone do rock nos anos 1970 e 1980, cujas músicas contém inúmeras criticas à sociedade de consumo.

Waters é conhecido por suas posições antissistema e preocupações com questões geopolíticas, além da ascensão do neofascismo no mundo todo. Sendo assim, é pertinente perguntar: o que os Bolsonaristas estavam fazendo em seu show?

Muitos desses bolsonaristas são endinheirados e pagaram até R$700,00 para assistir ao Show do eterno líder do Pink Floyd em São Paulo, não parece razoável que tivessem ido a um mega show para tentar vaiar ou conturbar um evento com uma celebridade de peso como Roger Waters. Que foram fazer lá então? não leram nada sobre o show antes? não conheciam o artista e sua trajetória?

Provavelmente são exemplos típicos da sociedade do espetáculo, que vivem de aparências e do que é raso, não porque necessariamente sejam fãs nem dominem a língua inglesa, apenas porque podem pagar e depois postar em suas redes sociais dezenas de fotos para comprovar que participaram do evento. São limitados sim, apesar da classe social, da conta bancária recheada.

Ao se depararem com as projeções antifascistas, os bolsominions ficaram atordoados, e quando perceberam que Bolsonaro era citado como o exemplo neofascista no Brasil, ficaram enlouquecidos. Quem participou do show ou pode ver filmagens do momento em que os seguidores do Capitão reagirem à denuncia de Waters, pode ver claramente que havia uma divisão entre os manifestantes, pois houve reação favorável a Roger Waters: na pista Premium, bolsonaristas gritavam Fora, PT; nas arquibancadas, ouvia-se Ele Não.

Houve abandono do show, mais gritos, revolta. A pergunta permanece: que estavam fazendo ali?

Nas redes sociais, seguiu-se uma onda de ataques ao artista, coisas patéticas e infantis, chavões, e a mostra de uma ignorância profunda sobre tudo: sobre quem é Roger Waters, sobre sua trajetória, sobre o sentido de suas críticas, sobre geopolítica, sobre política, sobre história, sobre os perigos pelos quais o país passa, sobre o golpe que sofremos e que continua produzindo desgraças para os trabalhadores, para as mulheres, para as minorias, para todos que se coloquem contra os golpistas.

A conclusão é que os bolsonaristas não sabem o que estavam fazendo no show de Roger Waters, mas pelo visto não sabem de muita coisa e nem querem saber. Para eles, como para qualquer fascista, basta o uso da força para impor sua vontade e sua (falta de) ideia. Essa é a cara de nossas elites, da burguesia tupiniquim? ignorante, violenta, ressentida, cheia de ódio e com profunda aversão à verdade e ao povo.