Rio de Janeiro
Presidente da Câmara dos Deputados e deputado federal trocaram afagos pelas redes sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
freixo
Deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados |

No dia 16 de maio, pouco após o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) anunciar sua desistência da candidatura ao cargo de prefeito da cidade do Rio de Janeiro, o atual presidente da Câmara, o vigarista Rodrigo Maia (DEM) foi até as redes sociais prestar sua “solidariedade” ao ex-postulante. Disse o parlamentar golpista:

Eu e Marcelo Freixo pensamos de forma diferente em vários aspectos, mas as diferenças nunca foram obstáculos para o diálogo. Respeito muito a história do deputado. Recomendo a leitura da entrevista dele hoje ao Globo.

Ao leitor desavisado, poderia causar estranheza o fato de que o presidente da Câmara, que apoiou o golpe de Estado de 2016, a prisão de Lula e a candidatura do presidente ilegítimo Jair Bolsonaro, tenha elogiado a “história” de um deputado da esquerda nacional. No entanto, o atual debate da situação política permite encontrar a racionalidade por trás da declaração. Neste momento, em que a crise política se aprofunda no país, a burguesia procura colocar em marcha a operação da frente ampla, que nada mais é do que a aliança formal, sobretudo no âmbito parlamentar e eleitora, das organizações de esquerda com a direita tradicional. Refletindo essa operação, Freixo retribuiu o elogio de Rodrigo Maia, compartilhando a frase do presidente da Câmara e publicano a seguinte declaração:

A derrota do fascismo é importante inclusive para que as nossas diferenças possam existir e que a gente dispute democraticamente um projeto de país.

A frase do deputado do PSOL é bastante clara e põe em evidência o que este diário vem denunciando sistematicamente: que, sob o disfarce de “luta contra o fascismo”, os setores mais reacionários no interior da esquerda nacional vem defendendo qualquer tipo de aliança. No entanto, a escolha de Rodrigo Maia por Marcelo Freixo enquanto símbolo para essa operação não é à toa. Na verdade, a troca de afagos entre os deputados pelas redes sociais acabou por contribuir para que a própria desistência da candidatura no Rio de Janeiro fosse de fato compreendida.

Não é apenas o fato de que ambos trabalham na Câmara dos Deputados que Marcelo Freixo e Rodrigo Maia têm em comum. Ambos nasceram e foram eleitos no mesmo estado: o Rio de Janeiro, segundo estado mais importante do país. Rodrigo Maia, que herdou parte de seu capital político do seu pai, César Maia, é uma das raposas da política carioca, representando uma série de setores da burguesia local. E é também no Rio de Janeiro, igualmente alocado no DEM, que se encontra outra personagem-chave nessa história: Eduardo Paes, ex-prefeito do Rio de Janeiro.

E por que a história desses três elementos se cruz na desistência de Freixo à candidatura para prefeito do Rio de Janeiro? Ora, porque o grande beneficiário disso tudo será o próprio Eduardo Paes, que tem um histórico de relações com a esquerda nacional, quando era do MDB, e que deverá ser o candidato apoiado, de uma maneira direta ou indireta, pelo conjunto da esquerda pequeno-burguesa e da esquerda burguesa nas eleições.

Se Maia comemorou a saída de Freixo, não há porque a esquerda comemorar. É a prova de que o candidato da “frente ampla” será alguém ainda mais à direita do que o deputado psolista, que já havia sido apoiado por setores da direita como a Rede Globo nas eleições de 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas