Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Os editoriais do 'Estadão'

O que eu aprendi lendo a imprensa burguesa

Os dois principais jornais brasileiros cumprem papéis diferentes na luta política. O diário da família Mesquita é porta-voz dos interesses da principal ala da classe dominante

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comecei criança, com as tirinhas e matérias no “Estadinho” aos domingos. Na adolescência, no “Caderno 2”, as tirinhas ganharam a companhia de música, arte, cinema. As matérias de ciências, particularmente sobre o espaço sideral, e informática me fizeram percorrer outros cadernos que meu pai descartava quando lia os classificados. Quando criança, nunca li um editorial do “Estadão”. Ao despertar para a política e dar-me conta da sua existência, no entanto, todo o resto perdeu o brilho.

Foi nos editoriais e nas páginas de política que encontrei a verdadeira “voz” de quem está por trás d’O Estado de S. Paulo. Para aprender alguma coisa, para entender o que a burguesia está pensando e o que ela quer, é preciso primeiro aprender a ler a imprensa burguesa. Raramente as coisas são ditas preto no branco, nem sempre sim quer dizer “sim”, nem sempre não quer dizer “não” e os “talvez” são quase todos certezas. Rodeios e alusões, palavras que não dizem o que realmente querem dizer, são o expediente mais frequente. Vejamos alguns exemplos.

O jornal declarou seu voto em José Serra (PSDB) nas eleições que foram vencidas por Dilma Rousseff em 2010. Por acaso o jornal da família Mesquita teria feito campanha para Lula em 2002 e 2006? Não. Óbvio que não. O jornal nunca escondeu sua posição direitista e conservadora. Lula – ou, mais precisamente, a possibilidade dele voltar ao governo oito anos depois – era o “mal a evitar“.  Em 2009, falavam da “aprovação de reformas fundamentais para o progresso do País”. A vitória de Serra iria reconduzir o Brasil ao “desenvolvimento econômico e social pautado por valores éticos“, mas a popularidade de Lula não permitiu. Dilma Rousseff foi eleita e restou-lhes aguardar a vez durante mais quatro anos. O editorial das eleições de 2010 procurava “dar a linha”, orientar as outras camadas da burguesia e da pequena burguesia. Evitar a vacilação e disputar no voto a última chance do PSDB voltar ao governo sem elevar a temperatura no ataque a Lula, Dilma e o PT.

Em 2014, a situação já era outra e a campanha para derrubar o governo Dilma Rousseff estava em pleno andamento. O editorial “A hora da razão” falava, no dia da votação, da “estonteante incompetência” de Dilma Rousseff, das “façanhas lulopetistas” e do “fracasso retumbante” que foi, para eles, o terceiro mandato do PT. A alternativa? O PSDB, claro: “Eleito, Aécio Neves estará aglutinando um bloco de parlamentares, técnicos e homens de pensamento e ação, capazes de remover da administração pública e da política os vícios nelas implantados pelo lulopetismo – e capazes, também, de colocar o Brasil novamente no rumo do crescimento sustentado e responsável

Em 2018, a disputa entre Bolsonaro e Haddad era “uma escolha muito difícil“. No primeiro turno, disse o jornal dos Mesquita: “A escolha precisa recair naquele candidato que se dispuser a alcançar alguma forma de compromisso mínimo, com todas as principais forças políticas, para garantir a governabilidade e a estabilidade. Isso não significa lotear o governo pelo maior preço, mas privilegiar apoios consubstanciados em honestidade, decência e competência. E a permanente lembrança de que quem se eleger governará todo o País, e não apenas sua patota”. Uma espécie de “programa mínimo”: vamos colocar alguém que consiga se segurar no poder, que esteja do nosso lado, ainda que não seja nossa principal escolha.

Curioso ver, 11 anos depois, como as coisas se desenrolaram e como o “Estadão” é consistente em suas posições. Quem está por trás das linhas aí publicadas? Nesses três momentos críticos das eleições, não faltaram menções do jornal aos bons tempos de responsabilidade, ética, desenvolvimento e progresso do governo FHC – ainda que o nome deste ex-presidente não tenha sido mencionado, para não espantar a freguesia. Ainda hoje falam nas tais reformas tão necessárias para o futuro do País. Que reformas? Bem… eles nunca falam delas abertamente, nem quando as chamam por seu nome. As reformas de que o jornal dos eleitores do PSDB tanto fala são as que não conseguiram fazer – ou levar até o fim – com o golpe dado contra Dilma e o breve governo Temer.

Para ler a imprensa burguesa, precisamos de um dicionário. Vejamos: “Reforma da Previdência” significa “fim da Previdência”. Ainda restou alguma coisa, querem um governo que seja capaz de eliminar completamente a assistência aos aposentados e dependentes. “Reforma fiscal” é “fim dos impostos sobre os grandes capitalistas, taxação dos pequenos empresários e sobretudo sobre o salário dos trabalhadores”. “Reforma política” deve ser traduzido para: “monopólio do poder político pelos partidos de confiança da burguesia e do imperialismo” ou ainda “se puder ser só ‘ARENA’ e ‘MDB’, pra nós, tá bom”. E “reforma trabalhista”, quando dita sem rodeios, é apenas “volta da escravidão”.

Agora, o Estado está com um abacaxi nas mãos. O governo que elegeram em 2018 é incapaz de fazer as tais reformas. Eles conseguiram, é certo, “alguma forma de compromisso mínimo” com as “principais forças políticas” (isto é, o centrão que, dito assim, nem parece composto por aquelas pessoas grotescas que o povo só descobriu quando declararam seu voto pelo impeachment em 2016). A governabilidade e a estabilidade, no entanto, estão profundamente comprometidas. Nem mesmo quem escreve acredita na “honestidade, decência e competência” de nenhum dos candidatos à sucessão de Bolsonaro. É esse o problema, uma vez mais: a sucessão presidencial. Depois de Bolsonaro, o que quer a imprensa burguesa?

Uma coisa é certa: não querem Lula, assim como recusavam a pessoa indicada por ele em 2010, 2014 e 2018. Preferem Doria e, para horror de quem lê e acredita no vigor “democrático” de jornais como o Estado de S. Paulo, até mesmo Bolsonaro é aceitável. Sim, pois a campanha que se desenrola em favor do impeachment do capitão fascista não é nada mais que uma campanha de propaganda política, pressão para tentar, desesperadamente, mesmo com um governo improvisado, capenga e que, por pior que seja, ainda é “deles”, dos donos da opinião pública no Brasil. Basta ler nas entrelinhas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.