Pelé, o incomparável
O grande mestre Pelé, o maior artífice de todos os tempos na arte de jogar futebol, elevou, como ninguém, o esporte a outro nível
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pelé_Easy-Resize.com_
Pelé dando um show de domínio e precisão com a bola nos pés | Foto: Reprodução

Quanto se fala em futebol, indiscutivelmente, tem-se como referência o futebol brasileiro. Afinal, embora tenha surgido na Inglaterra, ao chegar ao Brasil, pode-se dizer – sem nenhum exagero –, que o esporte transformou-se em uma arte, um patrimônio cultural da população brasileira. O grande mestre Pelé, o maior artífice de todos os tempos na arte de jogar futebol, elevou, como ninguém, o esporte a outro nível; exprimiu entre as linhas demarcadoras do campo, toda a ginga, talento, inteligência e capacidade de improvisação que um ser humano poderia materializar.

O fato, porém, é que para deslocar o eixo do esporte mais popular do mundo para a Europa, é, em primeiro lugar, preciso desconstruir o histórico e a amplitude do futebol brasileiro, colocando-o à reboque das novas tendências europeias, desmembrando todo o potencial brasileiro em virtude de uma nova era futebolística, onde a Europa seria, na atualidade, o maior centro representativo do futebol mundial.

Em sua coluna no sítio Uol, o jornalista Julio Gomes levanta a questão da comparação entre Pelé, Cristiano Ronaldo e Messi. Segundo a matéria, notícia dada alguns dias atrás, quando Messi superou, com a camisa do Barcelona, o número de gols que Pelé fez com a camisa do Santos, correu o mundo.

Outro ícone da indústria futebolística prestes a superar a marca do rei Pelé é Cristiano Ronaldo. O português tem 758 gols “oficiais”, faltam apenas 4 para atingir a meta. Ademais, o que seriam esses “oficiais”? Seriam contados amistosos com as seleções nacionais. Por qual razão, porém, amistoso de seleção vale, amistosos de clubes, não?

A questão, no entanto, vai muito além dos números de gols. Trata-se, portanto, da tentativa de forçar uma comparação entre o Pelé – maior jogador de todos os tempos, representante do “futebol arte” brasileiro e os jogadores da atualidade que, por acaso, representam o futebol europeu, onde centraliza os jogadores mais bem pagos do planeta, onde os grandes monopólios esportivos depositam vultuosas somas de dinheiro para produzir um futebol que retire do Brasil o título de maior fonte de craques do mundo.

Nesse sentido, as comparações com Pelé não são meras notícias como diz o colunista do Uol. Podemos dizer que se trata de duas coisas principais: em primeiro lugar, a comparação com Pelé serve para valorizar esses jogadores europeus, comparar com o melhor de todos os tempos é o melhor jeito de valorizar o passe desses jogadores.

Segundo, é um ataque contra o futebol brasileiro por meio do ataque ao maior craque. Eles querem apagar o óbvio ululante de que Pelé é superior a qualquer um desses jogadores. Essas notícias, inclusive, vêm acompanhada de duvida sobre o Pelé e assim sobre a própria qualidade do futebol brasileiro. É, nesse sentido, por isso, uma expressão da colonização da imprensa burguesa em detrimento dos interesses capitalistas europeus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas