Siga o DCO nas redes sociais

Teoria
O que é o stalinismo?
No programa Marxismo desta semana, a COTV abordou a pergunta “O que é o stalinismo?”, explicando o conceito e o fenômeno social.
2014_43_stalin212
Teoria
O que é o stalinismo?
No programa Marxismo desta semana, a COTV abordou a pergunta “O que é o stalinismo?”, explicando o conceito e o fenômeno social.
Pintura de Josef Stalin.
2014_43_stalin212
Pintura de Josef Stalin.

Ainda hoje, existem muitas dúvidas sobre o que é o stalinismo. A primeira coisa que deve ser levada em consideração, quando se analisa o stalinismo, é a falta de unidade ideológica entre os atuais stalinistas. O PCB, por exemplo, tornou-se um apêndice do PSOL, enquanto o PCdoB leva adiante uma política oportunista própria.

Isso dificulta a compreensão do que é o stalinismo. Portanto, é preciso definir claramente do que se trata.

Primeiro de tudo, é preciso desmentir alguns mitos que existem sobre o conceito. O stalinismo é uma corrente do marxismo? Não, o marxismo é uma ciência que busca levar adiante os interesses da classe operária e, apesar de não ser uma coisa estática, não tem correntes. Portanto, não existem “marxismos”, apenas o marxismo.

O stalinismo também não é uma esquerda sem ética, ou um “socialismo sem democracia”. Esta idéia nos leva a crer que existem vários tipos de socialismo e não apenas o socialismo, que é o estado de transição do capitalismo para o comunismo. 

A maioria das compreensões sobre o stalinismo estão, portanto, erradas.

Então, qual é a definição marxista para o conceito? 

O stalinismo é a principal corrente revisionista do marxismo da história. Stálin revisou o marxismo ao sabor dos acontecimentos políticos e é estranho a qualquer programa e doutrina. O stalinismo é pura e simplesmente uma degradação sistemática do marxismo, sem coerência doutrinária, variando, ao depender dos interesses políticos, entre a extrema-direita e a extrema-esquerda. 

No Brasil, por exemplo, o stalinismo passou de uma política democrática-burguesa de apoio a Getúlio Vargas (queremismo), em 45, a uma política pró-imperialista contra Getúlio em 50 e a uma política de integração aos governos nacionalistas-burgueses de 54 até o golpe militar.

Ou seja, uma conclusão é que o stalinismo não é um fenômeno ideológico. Então do que se trata? Se não podemos compreendê-lo como fenômeno ideológico é preciso compreendê-lo como fenômeno social.

O stalinismo é a expressão da burocracia estatal do Estado Operário russo que se tornou relativamente independente da classe operária do país. Nunca conseguiu ser totalmente independente da classe operária, mas foi se degradando e se tornou uma força política burguesa (momento em que se torna totalmente independente da classe operária). Quando isso ocorre, o stalinismo deixa de existir e se torna mais uma força política da burguesia russa.

A burocracia stalinista dominava a classe operária de maneira policialesca e brutal sem ser totalmente independente desta. Uma política necessária para manter esta camada social. O stalinismo, portanto, é uma força contraditória, que ao mesmo tempo se sustenta na existência de um Estado operário, mas que controla a classe operária e seus anseios revolucionários.

É isto que explica porque o stalinismo precisa ser compreendido como fenômeno social e não ideológico. Ora é pressionado pela revolução mundial, ora pela classe operária russa, ora pelo imperialismo e a burguesia – o que explica as variações políticas e ideológicas do stalinismo que é o que caracteriza-o como força política oportunista.

O stalinismo surge como uma reação política sobre a base de uma revolução vitoriosa. Trata-se de uma reação termidoriana, isto é, uma reação que aniquilou a ala esquerda da revolução, sem reverter a situação social criada por ela. Stalin, de fato, exterminou o partido que fez a revolução.

O caráter contraditório do stalinismo fez com que ele não fosse capaz de liderar a classe operária e por isso, em algum momento, levaria à derrota da revolução. Isso foi dito pelo revolucionário Leon Trótski e comprovado pela história com o fim da União Soviética, em 1991. O stalinismo, então, construiu a base para sua própria aniquilação uma vez que sua política levou ao fim do Estado operário que lhe dava base.

Leia Também  Dia 13 de junho, às ruas contra Bolsonaro
 



Share via
Copy link