Para procurador-chefe do MPT-RS, “atividade frigorífica é a que mais causa adoecimentos”

embalagem - 10-07

Após 2016, com o golpe de estado no País, os patrões estão procurando piorar ainda mais a situação das condições de trabalho e saúde, e os frigoríficos, até então tidos um dos o setores industriais com maior incidência de doenças e acidentes do trabalho, dizendo que as condições estão melhorando e que as empresas estão procurando resolver os problemas.
A propaganda enganosa dos golpistas chega ao absurdo de afirmar que a maior parte dos problemas já foram ou estão sendo resolvidos e citam empresas que, supostamente, estariam cumprindo as normas de segurança, para tentar ludibriar os trabalhadores com a mentira de que os problemas, agora, seriam questões pontuais.
Segunda essa versão, as empresas não estariam tendo problemas de acidentes, vazamento de gás amônia, etc.
Utilizam-se de informações do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) de que está havendo uma redução de acidentes e doenças ocupacionais, uma verdadeira fábrica de mentiras, pois o INSS está numa campanha desenfreada de cancelamento dos benefícios aos trabalhadores, há casos em que o trabalhador teve perda de membros do corpo e não há mais condições de trabalho, que se encontram nesta situação.
Bem ao contrario do levantamento realizado em 2015, onde o próprio INSS relatou que, “a atividade frigorífica é a que mais causa adoecimentos, segundo o INSS. Uma das que mais incapacitam e mutilam”, segundo o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no RS, Fabiano Holz Beserra, na época.
O procurador observa que o risco de adoecimento é hoje muito maior nos frigoríficos em comparação com outros setores. “Doenças nervosas acometem 43 trabalhadores em cada 100 mil. Esse número sobe para 320 quando analisados só os empregados de frigoríficos. Nas dorsopatias, os frigoríficos adoecem 1.095 empregados a cada 100 mil, contra 483 de todas as atividades econômicas. Nas doenças dos tecidos moles, lesões por esforço repetitivo, os frigoríficos dão de goleada: 1.621 A 321!”.
Os patrões, para ocultar tamanha destruição dos trabalhadores, impõe aos setores de recursos humanos o não fornecimento do Comunicado de Acidentes do trabalho (CAT), para parecer que não existe, nas fábricas acidentes com afastamento e, reafirmam em quadros onde deveriam relatar as ocorrências do trabalho. Os chamados quadros de Comunicado de Acidentes do Trabalho (CIPA) de que não há nenhum acidente com afastamento dentro dos setores de trabalho, principalmente da produção.
Não há nenhuma preocupação para os golpistas de resolver os problemas dos trabalhadores, pior que isso, há na realidade um esforço tamanho de fazer com que os trabalhadores se tornem escravos, vivam em condições sub-humanas, sem salário, trabalhando mais de oito horas por dia, ou seja, atendendo aos patrões que querem que os trabalhadores sequer tenham o direito a almoçar ou descansar trabalhando 12 horas por dia.
Para mudar essa situação em que os trabalhadores, bem como, toda a população explorada estão vivendo é necessário a organização de comitês de luta contra o Golpe tanto nas fábricas, bairros, municípios, Estados, enfim, em todo o Brasil, pois somente desta forma será possível impor uma derrota aos golpistas que tiraram a presidenta legítima que obteve 54,5 milhões de votos e prenderam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sem provas pelo judiciário, também golpista.